28/11/2014

O que está destruindo a igreja batista? (Parte 2)

Baptism logo.jpg
"Baptism logo". Via Wikipedia.

Missionários americanos do sul dos EUA evangelizaram o Brasil criando a igreja batista. Estes missionários investiram muito dinheiro na pregação do Evangelho nas terras brasileiras e os batistas ficaram famosos por sua organização e eficiência. Ainda temos um resquício desta fama que se esvai a cada ano.

Quero tratar sobre um dos pontos de vista sobre a destruição da denominação batista a partir de dentro dela mesma. Lembro ainda, que muitos estão acomodados a esse sistema e vão defendê-lo para manter a posição, porém, é mais importante servir aos homens do que a Deus. Portanto, sabendo a origem do que passamos hoje podemos tomar decisões corretas para o futuro e não ser manipulados pelas corporações eclesiástico-politiqueiras.

Voltemos. Os missionários batistas do sul dos EUA eram ricos e criaram uma estrutura fabulosa para a igreja batista no Brasil. Chegamos a ter o maior parque gráfico de toda a América Latina o que é um feito grandioso. Os missionários, mais por generosidade da contribuição dos americanos do que por lucro com as instalações, costumavam pagar excelentes salários. Tanto os missionários diretores recebiam bem quanto todos os funcionários brasileiros em sua função. Entretanto, brasileiros não eram diretores e isso levantou uma certa cobiça.

Depois de muita discussão com alegações de falta de democracia por parte dos americanos que não permitiam cargos elevados aos nacionais, os vaidosos receberam um cavalo de Tróia. Os missionários americanos passaram todos os bens para a CBB, mas levaram suas ofertas embora.

Os novos diretores ficaram felizes pois iriam receber o salário dos seus antecessores. E receberam por muito tempo até a derrocada do maior parque gráfico da América Latina. Os sujeitos eram tão incompetentes que não perceberam que não era o comércio que sustentava a denominação, mas sim, as doações americanas.

Na percepção de que tudo ia desabar pastores corriam de todos os lados para encontrar uma solução. A solução encontrada, ao que tudo indica, foi o corporativismo que maquiou a queda financeira por algum tempo. Essa maquiagem não durou muito, mas deixou resultados catastróficos para a denominação. O maior perigo que enfrentamos não foi a onda de infiltração doutrinária pentecostal, mas foi a encubação da politicagem no meio batista.

Não havendo dinheiro, a solução seria reconhecer o erro, mas não tinha ninguém humilde o suficiente para isso. Ninguém baixou os próprios salários, nem de seus chegados. Nesse contexto, para manter o status, surgiu a politicagem na denominação batista. Um certo fisiologismo ajudava nesse contexto dando o argumento falacioso da autoridade a certas ações de alguns líderes.

A politicagem transformou a igreja batista de democracia em oligarquia. Não querendo perder a posição e as posses os pastores começaram a trocar favores. Passou-se a enfatizar a ordenação de pessoas convenientes ao sistema de corporação de ofício que se desenhou. Muitos pastores colocaram a família inteira no ministério. Ninguém era bom demais para fazer parte do seleto grupo daqueles que "defendem a sã doutrina". Talvez até defendessem a doutrina de fato, mas estavam destruindo o principio batista da democracia.

Em linhas gerais, esse é o quadro que formou a Convenção e associações politiqueiras e ávidas por currículos para eclesiásticos de hoje em dia. As corporações estão destruindo a igreja batista e só consagram que se submete a elas. Alguns pastores são até conscientes disso e evitam tal atitude, mas pecam por se calar e não salvar a denominação da derrocada, por mera conveniência.

Precisamos acabar com isso. Ou a igreja batista é uma igreja democrática e local ou é um organismo sujeito a corporações e oligarquias para eclesiásticas. Neste contexto é melhor não ser consagrado, pois vou gerar problema e sozinho. Mas eu não fui chamado para servir a uma corporação como alguns, fui chamado para servir a Deus. Sirvo a Deus até aqui no blog somente, mas se vender, para um grupo oligárquico que só aumenta e não se arrepende é apostasia total.