11/10/2014

Como um herege difama a igreja?



Estou lendo o livro Aristóteles para todos de Mortmer Adler. O filósofo Olavo de Carvalho tem indicado este autor como uma boa referência de estudo. Realmente, o Mortmer Adler é bem interessante. Já li outros dois livros do autor "Como ler livros" e "Como falar, como ouvir". Embora eu já tenha ouvido alguma explicação semelhante quando cursava teologia, a abordagem de Adler é bem objetiva e didática.

"Aristóteles para todos" foi editado em português, mas estou lendo em inglês no Kindle. Durante essa leitura deparei com a fala de um pastor herege que vive falando mal da igreja evangélica. A leitura de "Aristóteles para todos" lançou uma luz sobre a estratégia do pastor esquerdista.

Antes que venham me acusar de excesso de filosofia, digo que este é um livro escrito quase que para crianças e que mesmo sem querer fazemos referencia à filosofia devida à sua influencia no conhecimento ocidental. O importante é não confundir influencia filosófica com um mandamento radical. Mandamento só Deus pode dar em plenitude.

Enfim, tal pastor esquerdista, que defende até a pedofilia em programa televisivo, adora falar mal da igreja. Alguns acham que o sujeito é uma sumidade, um "profeta" moderno. Pura ignorância.

Uma coisa é você falar de erros que cometemos para corrigi-los em nosso meio, até eu faço isso, outra coisa é usar os erros para denegrir a igreja evangélica em sua essência. O problema está exatamente nesse termo aristotélico "essência".

Por oposição, essência é termo ligado a atributos variáveis das coisas. Adler nos indica que uma pedra sempre será uma pedra, mas seus atributos mudam de uma forma ou de outra. Podemos mudar o tamanho e o peso de uma pedra, mas não podemos fazer com que deixe de ser uma pedra. Existe uma combinação de atributos bem fixa que faz com que uma pedra seja sempre uma pedra.

Outro exemplo é o ser humano. Não importa a cor da pele, o sexo, a idade, a saúde, um humano será sempre humano. No caso do homem alguns atributos podem ser indesejáveis como uma doença ou incapacidade. Entretanto, nem mesmo os atributos indesejáveis mudam a natureza do ser humano, mesmo o pior mal caráter continuará sendo humano apesar de todo espanto de quem diga "esse sujeito não tem humanidade".

Este é o erro do pastor esquerdista. Ele ataca a essência da igreja evangélica enfatizando alguns atributos acidentais. Ele chega a dizer que a igreja evangélica está perdida porque um único pastor está perdido para ele! Ele atribui corrupção a toda igreja porque uns poucos sujeitos religiosos cometem erros. Isso é desonesto pois é uma meia verdade ou talvez nem mesmo um décimo de verdade.

O grande problema é que evangélicos "progressistas" concordam com as afirmações ferinas no pastor herege. Essa concordância é baseada nos atributos acidentais, mas que denigrem propositalmente a integridade da essência da igreja evangélica. 

Denigrir a essência das coisas é estratégia de subversão. A finalidade deste sujeito é acabar com a família e com a moral e afundar a sociedade numa ditadura onde ele fará parte da elite. Não é a toa que tal falso pastor teve papel fundamental na tomada do poder pelos esquerdistas antifamília e antivida.

Abramos nossos olhos e não deixemos que uma ideologia corrupta baseada em distorção da filosofia e das Sagradas Escrituras leve nossas igrejas ao descrédito da população. A única finalidade disso é o progresso do mal. Profeta de verdade conduz ao arrependimento e não ao descrédito do corpo de Cristo.