07/10/2014

Artistas de TV são exemplo para a sociedade?

Um dos absurdos da midia atual é colocar atores e atrizes como exemplo para a sociedade. Atores e atrizes são profissionais do fingimento, portanto, não podem ser exemplo de valores que se baseiam no amor à verdade.
Hoje vi um programa de TV em uma emissora controlada por uma “igreja” que exaltava artistas mundanos com opções sexuais biblicamente inaceitáveis. Os apresentadores mostraram artistas brasileiros e hollyhoodianos, mercadores da promiscuidade, e achavam bonito. E incentivavam, como se artistas fossem exemplos construtivos! Tudo isso sob as bênçãos de um falso “bispo”!
Antes de imitar artistas precisamos saber quais os conceitos que orientam a arte mundana contemporânea.
Uma das caracteristicas importantes a se levar em conta na arte contemporânea é seu aspecto dionisíaco. Dionísio, para os gregos, e Baco, para os romanos, era o deus pagão do vinho e das orgias. O culto a Dionísio, aliás, inspirou o carnaval em toda a licenciosidade que vemos hoje. Dionísio era o falso deus da imoralidade e prostituição através do entorpecimento pelo vinho. Hoje usam muitas outras substâncias para isso. Não são raros os casos de artistas que morrem de overdose.
Com o surgimento de grupos teatrais de ideologia revolucionária, o culto a Dionísio passou a ser o fundamento da arte contemporânea a partir do século passado. Aliado a isso estão as ideias do belo como uma mera experiência estética. Para um artista contemporâneo o que importa é a experiência estética, mesmo que esta experiência resulte na destruição do belo. O que é mais belo do que a figura humana? No âmbito da estética e no âmbito espiritual somos a imagem de Deus.
Nada é mais belo do que o corpo humano, nestes sentidos citados. Ora, se os artistas contemporâneos buscam o máximo da experiência estética, qualquer perversão que destrua o corpo humano como receptáculo da beleza divina, seria o máximo da experiência estética. Não é sem motivo que muitos artistas se suicidam, é para cumprir este objetivo meramente estético. E isso é ensinado nas universidades! Fico abismado quando um crente repete o refrão “tudo pela arte”, especialmente quando sabem que fazer “tudo pela arte” é cometer, inclusive, torpezas.
Não foi sem embasamento teórico que um artista contemporâneo, financiado por verbas públicas, enfiou um crucifixo no ânus em praça pública. Isso foi notícia ano passado e é exemplo de onde a ideologia da classe artistica pode chegar depravadamente.
Ora, se artistas estão preoupados apenas com o mundo sensível das paixões e da estética, como tais sujeitos podem ser exemplo para a sociedade? A sociedade precisa ser preservada, mas tais sujeitos se submetem à própria destruição como princípio. Portanto, artistas não podem ser exemplo de nada para ninguém que seja minimamente saudável.
Se destruir o belo é o ápice artístico de realização conceitual, a sociedade que imita artistas caminha para a destruição. O Diabo, representado como o Dionísio dos gregos, veio matar, roubar e destruir. Esta é a base demoníaca da experiência estética dos artistas televisivos e outros. Não os imite em nada, pois não são e nunca serão exemplo em sua grande maioria.
Talvez você esteja estranhando essa conexão de coisas e pensando que é coisa de teólogo maluco, mas não é. Eu desenho razoavelmente bem e decidi uma época da minha vida estudar arte em uma respeitada universidade pública. Esses conceitos que citei acima não vieram de um livro de teologia, mas da boca emocionada de professores de arte contemporânea. Obviamente, fiquei apenas o tempo suficiente para saber que aquele não era o meu lugar.
Tenho certeza que artistas não são exemplo a ser seguido especialmente pela defesa que fazem do carater egoísta da personalidade do artista que deve buscar apenas a auto exaltação como “transcendência”. Um dos conceitos que defendem, nesse sentido, é que a arte substituiria a religião com base m raciocínio marxista. Isso é conceito doentio, mas é assim que nossos artistas pensam, inclusive com apoio universitário, exposições ridiculas em museus e diplomas reconhecidos.
Se você quer se destruir, imite um artista. Se você quer ter vida em abundância, imite a Cristo, pois Ele sim, veio para que tenhamos vida e vida em abundância.