07/05/2013

Debate absurdo

"É um bobão", "pede as contas", "cala a boca", "tem strip-tease no ônibus", "sonegar impostos é normal",  "santidade fajuta", "o cara tá errado". Tudo isso está sendo dito por pastores materialistas. Ouço um programa de rádio onde alguns indivíduos, que se dizem pastores, defendem até a sonegação de impostos pelos empresários esquecendo que isso pode ser considerado apologia ao crime, e crime federal. Os sujeitos pensam que o empresário cristão não pode andar direito, senão não irá em frente com seu negócio. Os sujeitos que se dizem pastores defendem os empresários com unhas e dentes e dizem que os funcionários têm má fé e querem se aproveitar dos "empresários inocentes".


Penso que esses caras nunca trabalharam na vida. Parece que só viveram de esperteza e de explorar os outros. Muitos, não são poucos mesmo, muitos empresários, roubam o trabalhador em seus direitos e tais pastores defendem esses caras com unhas e dentes porque foram empresários também. E talvez continuem sendo em suas igrejas. Não é a toa que a igreja evangélica segue o caminho da apostasia em nossos dias. Muitas igrejas querem pastores empresários. É esse tipo de coisa que estão plantando.

Não vou nem citar os textos do Novo Testamento em prol dos servos, pois tais pastores lembram apenas das obrigações dos servos. Vamos a Malaquias, no Velho Testamento mostrar que a misericórdia da lei era maior do que a alegada graça desses pastores:

"E chegar-me-ei a vós para juízo; e serei uma testemunha veloz contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os que juram falsamente, contra os que defraudam o diarista em seu salário, e a viúva, e o órfão, e que pervertem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o SENHOR dos Exércitos. Malaquias 3:5

Observe que o explorador do diarista, ou trabalhador, é comparado ao feiticeiro e ao adúltero, ao que rouba da viuva e o órfão. E tais sujeitos querem ensinar asneira dizendo que os empresários são vítimas dos empregados! Se existem pessoas de má fé elas estão dos dois lados e digo até que muito mais no meio empresarial do que no meio de trabalhadores. Há trabalhadores desonestos e trabalhadores honestos e, somente os desonestos, roubam por si, mas um patrão desonesto rouba de todos inclusive dos honestos e suas viuvas e órfãos quando não contribui com a seguridade social.

Se você quer ser empresário e não pode ter empregados pois são caros, trabalhe sozinho e não fique buscando motivo para explorar os outros. Não justifique o números de subempregos que você oferece condenando a desonestidade do trabalhador e enaltecendo a sua. Misericórdia é o que Deus quer e não sacrifícios. Não basta ser dizimista, para estar no rol dos grandes contribuintes da igreja é necessário que seu dinheiro seja honesto e não dinheiro de Judas.

Tudo isso ouvi numa rádio evangélica. Esta rádio pede ofertas para sustentar-se. Estava quase contribuindo. Ainda bem que Deus não nos deixa enganar. É por isso que o ministério se tornou interessante para esse tipo de sujeito, infelizmente alguns ímpios têm razão quando falam de alguns pastores. São pastores de si mesmos.

Se Jesus nos diz para não chamar nosso irmão de "idiota" como um pastor xinga um irmão com as palavras que citei no inicio dessa postagem por que colocou um patrão na justiça? Recorrer a justiça é direito do cidadão e ninguém deve ser ofendido por isso. Infelizmente, esses são os pastores que estamos "criando" bem cevados, pastores de si mesmos. 

Graças a Deus temos remanescentes fiéis, mas tais remanescentes são calados por papagaios mundanizados que falam bobagens e dizem que é santidade. Porém, mesmo que calem alguns remanescentes, a Deus ninguém cala, mas Ele calará a todo ímpio que se levanta dizendo-se servo de Deus, sem ser, dizendo "apartai-vos de mim malditos para o fogo eterno preparado para o Diabo e seus anjos". 

Que Deus proteja nossas igrejas de sujeitos mercantilistas que fazem do ministério mera fonte de lucro.