13/12/2012

Funk evangélico?


Acho estranho quando alguém diz que não tem preconceito. Afinal, todos temos nosso preconceitos para defesa de nossa própria identidade. Alguns antropólogos reduzem isso a um termo dito "etnocentrismo", como se valores morais fossem coisas meramente culturais. Existem valores que são universais. O suicídio e o assassinato não são desejáveis em nenhuma sociedade. Quando ocorrem estão restritos a um padrão de regras que os vincula a um agir da sociedade em que vive para a própria manutenção de identidade do indivíduo e do grupo.

Pode apostar, quando alguém diz que não tem preconceito, ou não sabe o que diz, ou está querendo fazer alguma coisa errada. Quase todo dia ouço uma rádio evangélica por um período, mas logo desligo. Ainda tenho esperanças que tal rádio entre nos eixos. Porém, vez e outra, depois de uma série de belos hinos, entra a porcaria de um funk. Aí desligo o rádio e nem sempre religo.

As pessoas pensam que música evangélica é música de baile. Desde tempos imemoriais bailes são locais de manifestação sensual. Mesmo no tempo de nossos avós, quando prestamos atenção na conversa dos antigos, percebemos o quanto ficavam de olho nas meninas e vice versa. Nos tempos antigos, as danças sensuais eram usadas para entrar em transe e sacrificar o próprio corpo ou o corpo de outras pessoas aos falsos deuses. O funk mesmo não é exceção, aliás, é o mais depravado de todos os ritmos da atualidade. Basta mudar de canal da televisão para ver, em horário reservado à família, mulheres empinando os glúteos enquanto homens fazem outras saliências nos bailes funk da vida mundana.

É isso que desejamos para nossas igrejas? Parece que para as rádios comerciais evangélicas não tem problema, afinal, eles não têm preconceito...

Vou apresentar alguém que tem pelo menos um preconceito. Deus. Já está preconcebido que quem não crer em Jesus e não se dobrar aos seus pés irá para o inferno. Não existe na Bíblia essa história de "venha como estás", isso é letra de hino do cantor cristão mal interpretada como "fique como estás". Deus quer mudança. A famosa metanóia, do grego, mudança de mente. Como podemos mudar de mente se imitamos o mundo? Será que alguém pensa que os convertidos a Jesus devem mudar para mente do mundo? Também não é por aí.

Querem transformar música em louvor. Música é só música, mesmo que sua letra seja um hino. O louvor só existe na alma que se submete, se curva, se prostra a Deus. Um dos sentidos do louvor é esse, prostrar-se, mas muitos estão querendo se exaltar, pular, através de ritmos que não conduzem à prostração e nem mesmo à contrição.

Rádios evangélicas! Zelem pelo seu papel no Reino de Deus e parem de tocar porcaria! Se querem dinheiro para manter as atividades, parem de vender tralhas e peçam ofertas, mas de forma honesta, por que pedir oferta a rodo também não presta.


Marco Teles
B.el Teologia | Pedagogo
Casado com Lucimar