10/11/2012

O exemplo secular e violência



Ultimamente vemos violência nos estádios de futebol e culpam as torcidas organizadas. Vemos violência de diferentes pessoas contra qualquer um e, no final das contas ainda dizem que isso é culpa de nossa cultura judaico cristã. Ora, tanto o judaísmo quanto o cristianismo prezam pela família pelo referencial que se encontra em primeiro símbolo, mas não em última instancia, no pai de família. Ao contrário, o anticristianismo e antisemitismo prega relatividade moral, para eles não existe verdade, tudo seria hipocrisia dos valores judaico cristãos. Quanta maldade!

Querendo ou não, todos influenciamos e somos influenciados mutuamente. Quantas vezes alguém já disse que "não sou exemplo para ninguém", mas lhe deu um conselho para fazer determinada coisa? Ora, quem não é exemplo tem o dever moral de não dar conselhos, portanto percebe-se a incoerência do discurso mundano.

Vejamos, a partir de alguns versículos, como o apóstolo Paulo considera importante a necessidade de sermos exemplo:

  • Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. 1 Coríntios 4:16
  • Sede meus imitadores, como também eu de Cristo. 1 Coríntios 11:1
  • Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; Efésios 5:1
  • Para que vos não façais negligentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas. Hebreus 6:12
  • Porque vós, irmãos, haveis sido feitos imitadores das igrejas de Deus que na Judéia estão em Jesus Cristo; porquanto também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que os judeus lhes fizeram a eles, 1 Tessalonicenses 2:14
  • Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam. Filipenses 3:17
  • E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo. 1 Tessalonicenses 1:6 

Quando o apóstolo Paulo enfatiza a importância de sermos imitadores de Deus e daqueles que o servem verdadeiramente, está implícita a necessidade da existência de pessoas que sejam exemplo. Vejamos outros versículos mais diretos em relação ao exemplo:

  • De maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na macedônia e Acaia. 1 Tessalonicenses 1:7
  • Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. 1 Timóteo 4:12 
  • Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade, Tito 2:7 
  • Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam. Filipenses 3:17 

Fica mais do que claro que, biblicamente, é necessário que busquemos ser exemplo. Mas que exemplo temos no mundo? Jogadores de futebol, lutadores, atletas em geral devem viver uma vida de disciplina. É assim desde a antiguidade. Quando ocorre uma disputa desportiva e um grupo ganha o outro, sublima-se a violência da sociedade a partir de seus campeões. A luta entre Davi e Golias foi um exemplo disso no caso extremo de guerra entre judeus e filisteus. 

Mesmo o apóstolo Paulo reconhecia isso e faz uma comparação entre o preparo dos atletas com o preparo para a vida cristã:
Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.

E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado (1 Coríntios 9:24-27).

Os atletas de hoje não querem mais agir assim, querem viver na orgia e até depravação em alguns casos. Não há compromisso com nada de maior valor. A camisa do time não interessa, importam-se apenas com a vitória e a mídia. Aliás, para estar na mídia é necessário ser escandaloso, pois atletas disciplinados e comedidos como o irmão Kaká, atleta de Cristo, não vendem jornais nem alimentam fofocas.

Hoje reclama-se que torcidas organizadas são violentas, mas que exemplo receberam os torcedores de forma geral? Há alguns anos um jogador que espancou um torcedor por não ter gostado das palavras dirigidas a ele foi intitulado pela mídia de "pitbull", como se o cara fosse "macho pra caramba" numa época em que alguns maus elementos usavam esses cães para práticas violentas. Outros atletas, especialmente do futebol, também se envolveram com escândalos sexuais, brigas, desleixo no trabalho, acidentes, e foram todos tratados com condescendência pelos negociantes que vivem desses escandalos. 

Tudo isso só poderia dar em quê? Em torcidas organizadas violentas, afinal, exemplo negativo tiveram de sobra. E agora queremos encher os estádios de policiais quando aqueles que deveriam ser exemplo de ordem, disciplina, zelo e amor por seu grupo ou time foram os primeiros a dizer "eu não sou exemplo para ninguém".

Devemos mudar isso. Um atleta não tem o direito de ser mau exemplo para mostrar que não esqueceu o seu berço. Ao contrário, ele deve valorizar o berço de onde veio mostrando que na sua origem, especialmente humilde, não existem só beberrões e farristas, mas que existem muito mais pessoas honestas, que trabalham de sol a sol, que não deixam faltar nada para suas famílias, que fazem de tudo para que os filhos possam ter educação e boa formação para melhorar de vida. 

Tenho certeza que um atleta mau exemplo não representa sua origem de forma digna, talvez os mais dignos, os trabalhadores e batalhadores, se tivessem a liberdade de falar de fato sem constrangimento, prefeririam que tais sujeitos não citassem suas origens. Como se diz na gíria "é queimação de filme".
Para acabar com a violência nos estadios não precisamos tanto de muito mais policiamento, pois essa é a solução da barbárie, da justificativa do controle estatal, o que precisamos de fato é de atletas disciplinados que possam servir de exemplo para a torcida e de uma mídia que divulgue os bons exemplo e não só o sensacionalismo de assistir um atleta se destruindo.

Como Paulo, para ser exemplo, precisamos de Jesus Cristo, dos valores judaico cristãos que os relativistas tanto abominam, pois o maior controle social não está em ações do Estado, pois o Estado deve apenas oferecer condições para que tenhamos autocontrole, e de posse dessas condições seguir o bom exemplo. Não existe melhor exemplo do que o de Nosso Senhor Jesus Cristo, não existe solução para o indivíduo fora de Cristo. O conhecimento pode até enfeitar ou instrumentalizar alguém, mas o único que converte pecadores destinados à perdição, em servos de Deus destinados ao céu é Jesus Cristo que morreu e ressuscitou para que fossemos salvos e não para que fiquemos nos embrutecendo e matando uns aos outros.





Bíblia Sagrada. Almeida Corrigida Revisada e Fiel. Disponível em http://www.bibliaonline.com.br acesso em 10/11/2012