14/10/2012

Todo crente merece ir para o inferno

Outro dia conversava sobre a possibilidade de se dizer que alguém irá para o inferno. Obviamente não podemos dizer que uma pessoa, em particular, irá para o inferno, mas evitar falar do inferno só por causa disso nos leva à heresia de sugerir, pela falta de referência falada, que o inferno não existe. Existe um problema portanto teológico e emocional.

É um problema teológico, pois pela referência bíblica não se pode negar a existência do inferno. A Bíblia cita a existência do inferno e sua finalidade que é ser a prisão da morte eterna para os que longe de Deus estarão em sofrimento, entretanto, a Bíblia não gasta muito tempo descrevendo o inferno, nem mesmo descrevendo o céu. A melhor descrição do céu é aquela que diz ser o lugar que o coração humano não pode entender de tão maravilhoso. "Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam." (1 Coríntios 2:9). Entretanto, apesar da falta de descrição detalhada, tanto o céu quanto o inferno são claramente ensinados como destino do crente e do infiel. Não há o que discutir.

Mas, me parece, que o grande problema em relação ao inferno é emocional, pois não podemos admitir que pessoas que amamos, que são boas para nós, mas que são pecadoras, irão para o inferno. Não nos sentimos a vontade em reconhecer que uma pessoa que amamos pode estar caminhando para o inferno, mas também não queremos "ofender" tal pessoa, por isso, pregamos um evangelho "jeitoso", inclusivo, politicamente correto.

Sinto muito informar mas o céu não é inclusivo no sentido politico da palavra. Primeiro porque no céu não haverá política, todos se submeterão a Deus, segundo que para entrar no céu seremos transformados, se aceitamos a Jesus, senão, seremos enviados para o inferno que é o lugar "inclusivo" para quem rejeitou a Cristo. Muitos são os chamados e poucos os escolhidos.

Observe que o conceito político de inclusão também nos prepara de alguma forma para aceitar as oposições ao cristianismo. Diria o anticristo que uma religião sem inclusão espiritual não é uma boa religião, mas lembre-se, o mundo defende a inclusão enquanto houver quem cuide do excluido, alguém que o ame e faça tudo para que sua vida se transforme em autonoma, mas para o mundo, quando um excluido "só dá trabalho" reservaria-se a ele coisas mundanas como aborto, eutanásia, ortotanásia, genocídio e por aí vai.

A diferença da inclusão espiritual que o Senhor Jesus Cristo oferece para a inclusão espiritual do mundo é que Cristo transforma a sua alma, ao passo que o mundo corrompe cada vez mais a sua alma. Essa é a lógica da inclusão infernal.

Para terminar, alguns dizem que muitos crentes merecem ir para o inferno pois são hipócritas, digo que tais pessoas estão erradas. Todos os crentes merecem ir para o inferno, pois ninguém pode fazer nada para merecer a Salvação. Os crentes só vão para o céu porque aceitaram o amor de Jesus que é o único que viveu como merecedor para concretizar a Salvação e nos oferecer em amor.

Jesus deseja inclui-lo no céu, como uma alma salva e transformada. Mas, se do contrário, alguém preferir a corrupção irá para o inferno, porém não poderá desenvolver sua corrupção, não poderá se voltar contra Deus, pois aí então, a vitória de Deus terá se cumprido eternamente.

Marco Teles
B.el Teologia | Pedagogo
Casado com Lucimar