11/10/2012

Epístola de Judas - Parte 2

Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Judas 1:3

Conforme vimos na postagem de ontem, Judas, irmão de nosso Senhor Jesus Cristo escreve esta carta às igrejas. No versículo 3, Judas diz sobre o que gostaria de escrever, sobre a Salvação, mas que a necessidade de defesa doutrinária, dos princípios da fé , ganhou maior importância no momento em que escrevia. Interessante é que Judas queria falar da Salvação, mas preferiu fortalecer a doutrina. Isso não é comum hoje em dia, muitos querem falar só de Salvação sem falar da fidelidade à doutrina o que é um contrasenso pois a própria Salvação é entendida doutrinariamente após o batismo com o Espírito Santo que ocorre no exto momento da conversão.

A coerência de Judas é tanta que ele compreende que sua mensagem é a Palavra que, portanto, carrega em si significância e tal significado precisa ser dialogado para maior entendimento de sua realidade e abrangência. Judas, nesse momento, trata das perversões doutrinárias que sobrevinham à igreja como mensagem de salvação mas eram mensagens de perdição.

Analisando o versículo, vemos que a preocupação de Judas, ao enfatizar a fidelidade doutrinária, era que a essência da Salvação não se perdesse em meras vaidades com aparência de piedade.

Não temos o direito de deixar de estudar a doutrina por achar que somos tão espirituais que só nos preocupamos com pregar a Salvação. Pensar assim é o primeiro passo para a apostasia, pois se não percebemos que quando pregamos sobre a Salvação fazemos várias ligações hipertextuais com diferentes possibilidades de nexos, acabamos nos perdendo nas invenções de nossas conexões simplesmente porque ignoramos a doutrina bíblia ou sistemática.

Judas nos dá um exemplo fenomenal: se queremos pregar a Palavra de Deus, sejamos firmes e dedicados a ensinar a doutrina para que não sejamos levados por falsos mestres e para que não corramos o risco de nos tornar igualmente falsos com eles.

Podemos refletir: temos ignorado a doutrina alegando zelo pela pregação da Salvação? Se temos, tomemos cuidado, pois nada das Escrituras pode ser ignorado, seja história, mandamento, plano de Salvação ou reflexão doutrinária. Afinal, quem é servo de Deus tem prazer em meditar em sua Palavra.



Marco Teles
B.el Teologia | Pedagogo
Casado com Lucimar