27/10/2012

Como a Bíblia está organizada?

É comum lermos a Bíblia na forma como está organizada, sem nos preocupar com o contexto histórico. Existe quem não goste de história, mas essa não é uma boa ideia pois nossa vida é uma construção histórica. Nós somos agentes de história, assim como aqueles que vieram antes de nós. É necessário conhecer a história para aprendermos com erros e acertos e também descobrirmos o porquê das coisas. Não podemos entender o mundo em que vivemos sem entender a história. Mesmo que alguns hereges não queiram, na Bíblia encontra-se a base histórica espiritual da civilização ocidental. Como cristãos necessitamos conhecer o pano de fundo histórico da Bíblia para compreendermos sua mensagem. Neste artigo tentarei resumir este ambiente histórico para maior esclarecimento de nossa leitura bíblica.


A Bíblia geralmente é dividida em Antigo e Novo Testamentos. O Antigo Testamento divide-se basicamente no Pentateuco, livros históricos, livros poéticos e de sabedoria e os Profetas. Pentateuco, vem do grego penta que significa cinco referindo-se aos cinco primeiros livros de Moisés: Gênesis, êxodo, números, levítico, deuteronômio. Nos livros históricos encontram-se os livros de Josué, Juízes, Rute, I e II Samuel, I e II Reis, I e II Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Os livros poéticos e de sabedoria incluem Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares. Prefiro incluir os livros de sabedoria com os poéticos pois Jó, por exemplo, é tanto poético como de sabedoria e o formato do livro de provérbios pode ser entendido como algo poético assim como salmos e Cantares não deixam de apresentar alguma sabedoria, mesmo que provérbios e Eclesiastes concentrem os textos de sabedoria.


Além dos livros da lei (pentateuco), históricos e de sabedoria, o Antigo Testamento tem também uma seção de livros proféticos dividada em profetas maiores, porque escreveram mais, e profetas menores, pois os livros são menores. Dentre os profetas temos: Isaias, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel e Daniel conhecidos como profetas maiores. Em continuidade temos os profetas chamados de menores como Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miqueias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.


O Novo testamento é dividido de forma mais sucinta em Evangelhos e Atos dos Apóstolos, diversas cartas, ou epístolas, dos apóstolos e o Apocalipse.


Sob um ponto de vista mais histórico e talvez mais óbvio para uma visão geral podemos dividir a Bíblia também em períodos que vão da criação ao dilúvio, do fim do dilúvio à torre de Babel, o período dos patriarcas que inclui Abraão, Isaque, Jacó e mesmo Jó, A escravidão e o êxodo do Egito, a peregrinação do povo de Israel no deserto, a tomada de Canaã, o período teocrático onde Deus levantava juízes conforme a necessidade do povo, o período monárquico com o reino unido e depois com o reino dividido, a destruição do reino do norte, Israel, pelos assírios a invasão do reino de Judá pelos Babilônicos levando o povo para o exílio e o período de retorno do exílio. Estes períodos permeiam a maior parte dos livros citados em suas categorias, alguns livros poéticos são do tempo da monarquia, Jó foi escrito por Moisés, e no livro de Salmos tanto há um salmo de Moisés como vários salmos de Davi e outros escritores bíblicos. Os livros proféticos também permeiam o período monárquico e daí por diante.


O Novo Testamento completa a história do Antigo Testamento em Jesus Cristo, continuando com a atuação da igreja em Atos e relatando os conselhos e doutrinas nas epístolas. O Apocalipse é um livro que mostra a esperança do povo de Deus em meio a um mundo condenado, entretanto, o apocalipse tanto é simbólico no sentido de que várias coisas ali referidas são cíclicas na história da igreja quanto é profético ao anunciar a volta de Nosso Senhor  Jesus Cristo.


O objetivo das Escrituras é mostrar o Plano de Salvação da humanidade em Jesus Cristo que é desenvolvido na história de Israel, em suas manifestações poéticas e proféticas, passa pela singularidade do sacrifício de Cristo, pela obediência da igreja em ir e pregar o evangelho culminando na volta redentora de Nosso Senhor Jesus Cristo em Glória. Esta visão geral, especialmente este último parágrafo é um resumo  sucinto de como devemos visualizar a Bíblia para facilitar sua compreensão. Não se preocupe se não memorizar de uma vez, pois essa sequencia é memorizada conforme lemos. Boa leitura.


Marco Teles