03/09/2012

Devemos somente elogiar a igreja?



Apo 3:10  Visto que você guardou a minha palavra de exortação à perseverança, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra.

“Tudo é divino, tudo é maravilhoso”, diz a música popular. Muitos crentes seguem por este caminho. Pensam que colaborar com o Evangelho é não criticar nossas incoerências, pensam que valorizam o Evangelho fazendo mera propaganda. Não reconhecer a realidade e analiza-la em busca de reconciliação com Deus, não é a forma bíblica de se evitar conflitos, ao contrário, é a forma mais fácil de mundanizar a igreja com aparência de piedade.

A igreja é o corpo de Cristo, segundo escreveu o apóstolo Paulo aos coríntios. Isso não significa que Paulo concordasse com os coríntios como exemplo de comunhão, ao contrário, seu argumento por analogia visava demove-los de sua carnalidade. Hoje falamos de corpo de Cristo, como uma realidade incontestável da igreja, mas na verdade, a própria analogia surgia de uma contestação paulina de nossas incoerências. Cristo é nosso modelo, devemos segui-lo, mas somos fracos e, é conhecendo nossas fraquezas, portanto, com constestações de nossos comportamentos, que nos aproximamos cada vez mais da estatura perfeita de Cristo.

Um exemplo de que apenas falar bem, sem questionar os erros, não conduz a bom termo, é a história do pregador fanático Jim Jones. Vindo de uma família desestruturada, Jones interessava-se por religião e, ainda mais, pela política e ideologia marxista. Vendo na religião uma forma de realizar seu intento político, Jones cria o Templo dos Povos e propõe a criação de uma “comunidade cristã” onde os excluídos da sociedade seriam acolhidos sob uma nova ordem. Culminando seu plano, Jones constroi uma comunidade política de fanáticos na Guiana. Após visita de autoridades americanas, Jones manda assassinar os enviados americanos e decreta que o povo que o seguia deveria cometer suicidio tomando suco de uva envenenado. Assim morreram cerca de 900 pessoas do Templo do Povo.

Jim Jones tinha inimigos, mas em seu grupo interno só encontrava aprovação. Este tipo de aprovação incondicional, que tem a intenção de “promover o bem do grupo”, ou do corpo de Cristo, é indesejável pois sua intenção não é condizente com a realidade. Um grupo que se baseia na aprovação incondicional, onde as críticas são proibidas e, nem mesmo, toleradas, é um grupo que caminha para a corrupção.

Não só Paulo fez críticas a comportamentos dos coríntios, João também na sua terceira carta faz criticas a Diotrefes, que era mandão. Também no Apocalipse, ao referir-se às sete igrejas da Ásia, o Senhor Jesus não se preocupa em motivar as igrejas enquanto grupo, mas tanto elogia os acertos quanto condena os erros das igrejas.

Parece que desejamos ser mais santos do que os apóstolos Paulo e João, e até, mais santos que o próprio Jesus demonstrando uma piedade para com a igreja como “corporação” esquecendo que o corpo de Cristo precisa de reflexão e arrependimento. O Corpo de Cristo precisa de disciplina também, e sem crítica não se descobre onde é necessária a disciplina, mas com uma “piedade de corporação” corremos o risco de engrandecer o pecado e martirizar os profetas, assim como fizeram os fariseus.

Ou alguém pensa que os profetas só elogiavam o povo de Israel? Não se engane, João Batista, o maior dos profetas, preparou o caminho do Senhor mostrando o pecado de seu povo, conclamando-os ao arrependimento. Uma visão corporativa, de administração de empresas, quer apenas ouvir discursos motivacionais, mas se a igreja é Cristocêntrica ela quer ouvir e fazer a vontade de Deus.

Que um outro te louve, e não a tua própria boca; o estranho, e não os teus lábios. Provérbios 27:2

Webgrafia:

Wikipedia. Jim Jones. Disponivel em http://pt.wikipedia.org/wiki/Jim_Jones acesso em 03/09/2012

O suicidio em massa dos membros da seita de Jim Jones. Disponível em http://globotv.globo.com/rede-globo/fantastico/v/o-suicidio-em-massa-dos-membros-da-seita-de-jim-jones/849591/ acesso em: 03/09/2012

Bíblia Sagrada. ACF. Apocalipse 2-3. Disponível em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/ap/1 acesso em: 03/09/2012

Bíblia Sagrada. ACF. Terceira Epístola do Apóstolo João. Disponível em http://www.bibliaonline.com.br/acf/3jo/1 acesso em 03/09/2012



Marco Teles
B.el Teologia | Pedagogo
Casado com Lucimar