19/08/2012

Cristianismo: simples, mas difícil

No mundo evangélico atual, onde se prioriza a autoridade de alguma sumidade, alguns valores estão ficando raros. Ora, se o sujeito é sumidade e autoridade, usará a imposição para manter este status. Autoridade aparente, semelhante à dos fariseus, não pode ser compatível com a compaixão e amor cristão.

Alguns pensam que os ímpios têm de ser castigados para que se faça justiça, mas, em nome dessa mesma justiça, não merecemos nós o mesmo castigo? O que satisfaz a justiça de Deus é o amor de Jesus, devemos também, seguindo o exemplo de Nosso Senhor, ser amorosos em justiça. Devemos tomar cuidado para não abraçarmos certos radicalismos sem argumento e sem base bíblica apenas porque nos julgamos "ortodoxos". Muitos dos que se julgam "ortodoxos" são, na verdade, fundamentalistas que não interpretam o que leem e vivem uma vida espiritual mecânica. É necessário ser coerentemente ortodoxo, e a ortodoxia é uma escolha consciente.

Deus não deseja de nós uma espiritualidade mecânica, ao contrário, máquinas não podem adorar pois não têm espírito, e Deus deseja ser adorado em Espírito e em Verdade. Nosso Senhor nos conclama a nos separar do mal, a viver uma vida santificada, a pregar o seu evangelho, mas não nos convida a ser brutamontes espirituais. Ele também não nos convida a ser permissivos com o pecado, mas a pregar a Palavra de Deus com amor e não com antagonismo.

Quantos pastores e irmãos querem ser protagonistas de lutas sem fundamento, quando deveriam ser diligentes ao invés de militantes? Ser diligente é ser cuidadoso, ser militante é ser combatente. Todo combatente logo é abatido, mais cedo ou mais tarde, mas o diligente continua levando a Palavra de Deus sem a corrupção do liberalismo teológico e também sem se tornar mera máquina de combate.

Não digo que a militância não seja necessária, mas isso não é tarefa de pastor. Ou se pastoreia ou se milita, pois as funções de cuidar e preservar são contrárias a essência do combate. Leiamos o que Jesus nos diz em Mateus, sobre orar por todos, e vejamos em que tipo nos enquadramos: militante ou pregador?

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus. Mateus 5:43-48