29/07/2012

A essência de pregar para crianças

Em nossa sociedade pouco afeita às coisas simples da vida pregar para crianças, no templo do culto coletivo com os adultos, pode ser algo desprezado. Alguns desprezam a pregação para crianças por ser muito simples e por se julgarem extremamente sofisticados para ouvir alguém pregar para os pequeninos. Já ouvi um irmão dizer que "quando vai ter culto infantil no templo nem perco tempo de ir a igreja" outro ainda disse "não sei para que isso existe". Claro que os que pensam assim estão enganados, e muito, mas tais preconceitos existem.

Diante de tal preconceito cresce a importância da responsabilidade de pregar para crianças. Costumamos pensar que os críticos são uns insensíveis, que não são humildes ou mesmo que não são espirituais. Este também é um preconceito nosso, que pregamos para crianças. É nossa função de pregador tocar a sensibilidade do insensível, mostrar como a humildade é desejável ao soberbo e mostrar que ser espiritual é ser como um menino para entrar nos céus. Então o problema é de quem? Dos pregadores ou dos adultos impacientes? Diria que são os dois.

Hoje preguei no encerramento da Escola Bíblica de Férias da minha igreja e, com certeza, é "mais fácil" - perdoe-me a figura de linguagem - pregar no encerramento de um série de conferências do que num culto infantil onde há público adulto. Graças a Deus foi uma bênção, tanto adultos quanto crianças foram edificados e demonstraram isso com suas palavras e expressões de alegria que só a criança no coração de cada um pode mostrar.

Por que digo isso? Porque muitas vezes abandonamos certos trabalhos na igreja apenas por sua pequenez. Eu me incluo nisso. Nos consideramos tão talentosos, e até somos pois Deus é quem dá o talento, mas tão talentosos que esquecemos que a Palavra de Deus não é pregada em forma mas em essência.

Não interessa para quem pregamos, ou quando, ou o valor que dão ao nosso jeito de pregar. O importante na mensagem bíblica é a essência da Sabedoria divina, a Salvação, que pode ser comunicada a todos. Infelizmente vivemos numa época onde a essência não interessa, os pregadores essenciais são postos de lado em prol dos pregadores de "potência" acadêmica ou mesmo política.

Sou contra a politicagem, sou a favor do aprofundamento dos estudos, mas não podemos deixar que diplomas e títulos, bem como a vulgarização da homilética e da hermenêutica, exercida por "autoridades no assunto" destruam a essência da Palavra na pregação.

Todo pregador sabe quando prega com essência ou só com formalidade. É horrível quando percebemos que fomos mais formais que essenciais. O sermão para crianças é caracteristicamente essencial. Se o pregador não prega a essência, talvez alguma criança goste e talvez mais ninguém. O pregador para crianças precisa ser aquele pregador que falta em boa parte dos púlpitos contemporâneos. O pregador para crianças tem que apresentar a Palavra de Deus simples e essencial.

Não abandone um ministério por que este "não é condizente" com sua capacidade. Você é capaz porque o Senhor te capacita. Entretanto, nunca deixe de ser essencial para manter um "posto ministerial", pois a essencialidade é o que mais importa para qualquer pregador fiel ao Evangelho.


Marco Teles
B.el Teologia | Pedagogo
Casado com Lucimar