30/05/2012

Fé e crença

Ontem fui a um grupo de estudo bíblico. Numa das impressões compartilhadas entre os irmãos foi dito que "crer é o mesmo que fé". Poderíamos ser minuciosos e dizer que são coisas diferentes pois uma palavra é substantivo abstrato e a outra é um verbo, mas essa minúcia traz uma reflexão interessante. A fé, como substantivo, implica em ser e crer, como verbo, implica em ação. Crer com fé é ser e agir espiritualmente.

Precisamos ser espiritualmente transformados em nova criatura através de Cristo. Ninguém é espiritualmente a partir de seus méritos, por isso mesmo é contraditório criticar um cristão cobrando perfeição. Não somos perfeitos, mas aos nossos trancos e barrancos e com a ajuda de Deus, almejamos a perfeição de Cristo. Almejar a perfeição já é uma ação ontológica, uma vontade de ser. Para ser um pouco de algo é necessário vontade de sê-lo, portanto para ser como Cristo a vontade de imitá-lo é ponto crucial. Se alguém nega a vontade de querer ser como Cristo e critica quem, mesmo imperfeitamente, busca o que é mais digno e transcendente, tal crítico apenas justifica seu conformismo.

Precisamos também agir espiritualmente. Poderíamos pensar em obras, mas obras não salvam, basta contar o número de mancadas que damos diariamente e comparar com a nossa própria justiça para ver que por obras ninguém poderia se salvar. Agir espiritualmente é muitas vezes algo invisível, pois implica numa constante ação de arrependimento, adequação às Escrituras e mudança de direção. Para a Salvação de nossas almas basta apenas um arrependimento pela fé em Jesus Cristo, porém nunca cresceríamos em graça e santificação se não ocorresse um processo constante de arrependimento e mudança de direção durante os erros que cometemos. É ignorância dizer que "se aprende com erros", os erros podem estar no processo ou não, mas aprendemos com a correção, especialmente a correção de Deus. Será preocupante ouvir de um crente que não se arrepende de alguma coisa depois de sua conversão, pois isso também é resistir ao Espírito Santo que convence do pecado, da justiça e do juízo.

Pensando em ter fé e crer como uma relação intrínseca de ser e agir no Espírito, podemos entender e superar muitas de nossas fraquezas humanas, pois esse ser e agir não depende de nós mas é o Espírito Santo de Deus que opera em nós todas as coisas apesar de nossa natureza carnal, finita e falível. É Jesus Cristo que nos liga à eternidade pela Salvação de nossas almas e pela comunhão com o Espírito de Deus em nossos corações. Nada depende de nós, mas do Senhor, portanto submeta-mo-nos a Ele que é justo, perfeito e capaz de operar em nós aquilo que somos incapazes de fazer.

Marco Teles
B.el Teologia | Pedagogo
Casado com Lucimar