19/12/2011

Férias do Monopólio


O início do ano é a época onde alguns pastores que monopolizam o púlpito entram de férias. Só nessa época alguns irmãos com o dom da Palavra tem a oportunidade apertada de pregar, pois tem que se dar oportunidade a todos, para ninguém dizer (os tais “maledicentes” dos sermões “éticos” endereçados) que não existem oportunidades. Mas não se engane, o policiamento continua afinal, monopolizadores de púlpito são inseguros demais para não espalhar pardais e papagaios por toda a igreja.
Isso tudo é real, e uso essa constatação para falar sobre o privilégio de pregar a palavra de Deus. A quem pertence esse privilégio? Quem é o dono do púlpito? Vamos verificar tais perguntas biblicamente, mesmo já sabendo que o púlpito é de Deus, para isso transcrevo e discorro sobre 1 Corintios 12.21-31:

1Co 12:21  E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não tenho necessidade de vós.
1Co 12:22  Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários.
1Co 12:23  E os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra.
1Co 12:24  Porque os que em nós são mais honestos não têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela,

Paulo nos mostra que não há primazia entre os membros de uma igreja. Não importa seu dom ou seu cargo, você é tão importante quanto qualquer outro. Mesmo que alguém nos considere inferior, ou mesmo que tenha medo de tal inferioridade, não é o policiamento religioso e doutrinário que deve nos dirigir, mas o desejo de honrar-nos mutuamente. Honrar-se mutuamente significa considerar o outro igual e regozijar que ele desenvolva seus dons e não impedir sua expressão sob a justificativa de que ele é uma ameaça. Pode até existir alguns que tenham interesse em divisão, mas atualmente existem muito mais pastores com medo de serem comparados e trocados por outro. Tal medo é infundado, pois se o pastor agir realmente como tal, e não como mero executivo eclesiástico, ele se dedicará a promover a cooperação do corpo e não seu aniquilamento por paralisação.

1Co 12:25  para que não haja divisão no corpo, mas, antes, tenham os membros igual cuidado uns dos outros.
1Co 12:26  De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele.
1Co 12:27  Ora, vós sois o corpo de Cristo e seus membros em particular.

Devemos apelar aos pastores e líderes que se tornem servos e não sentinelas. Servos estão prontos a servir sem preocupação com o que vão ganhar, sentinelas apenas mantém a ordem para garantir o patrimônio. Essa atitude de sentinela foi muito comum no meio batista durante período de pentecostalização de igrejas décadas atrás. Os pastores sentinela da época foram até bem sucedidos, pois mantiveram muitos templos no caráter de patrimônio, mas quanto ao pastorado apenas promoveram ressentimentos. Tais pastores justificam até hoje sua atitude através do medo de divisão e posando de sentinelas da doutrina.

Observe que Paulo fala a uma igreja, dos Coríntios, com sérios problemas doutrinários e até morais, mas ele não assume a pose de sentinela e sim de orientador amoroso que mostra a igualdade diversificada dos membros da igreja como um corpo coeso de Cristo.

O período de pastores sentinela já acabou, mas há os que insistem em perpetuá-lo. Deixemos a posição de sentinela da doutrina e passemos a serem colaboradores no ensino e pregação da doutrina como corpo de Cristo, mesmo fora da escala de férias pastorais.

1Co 12:28  E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores, depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.
1Co 12:29  Porventura, são todos apóstolos? São todos profetas? São todos doutores? São todos operadores de milagres?
1Co 12:30  Têm todos o dom de curar? Falam todos diversas línguas? Interpretam todos?

O fato de sermos um corpo com diferentes dons não significa que cada um faz uma coisa só, ao contrário, existem vários membros com o mesmo dom e vocação e devem poder exercê-los sem a pichação de “ameaça” por parte dos corporativistas eclesiásticos. Paulo deixa claro que nem todos são apóstolos, ou profetas, ou mestres, mas o oposto lógico de todos não é um, mas algum que implica na possibilidade de pelo menos um e até mais de um. 
À pergunta de Paulo podemos responder que alguns são pastores, alguns são pregadores e por aí vai. Dizer que apenas um é o pregador é uma falácia, pois é um raciocínio falso com aparência de verdade. As falácias nunca foram usadas para defender a igualdade, ao contrário, sempre foram usadas para defender personalismos e desigualdades. Ora, se alguns tem determinados dons, porque restringi-los a um só indivíduo sentinela?

1Co 12:31  Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente.

Neste versículo Paulo introduz o próximo capítulo que fala do amor. O amor é o caminho excelente. Amemos aqueles que nos parecem ameaças. Nem sempre as “ameaças” querem “puxar o seu tapete” como dizia um pastor sentinela que conheci, geralmente querem apenas a oportunidade de pregarem o evangelho sem policiamento religioso desnecessário. Se você pensa que seu seminarista quer “puxar o seu tapete” ore, leia a bíblia e ame-o, mas não tente “puxar o tapete” dele, pois com essa atitude alguns pastores sentinelas criaram uma escola viciosa que só produz policiamento e “puxação de tapete” em moto perpétuo.
Enfim desejamos boas férias aos pastores de fato, e aos pastores sentinelas, desejamos que reflitam em sua atitude tornando-se servos e não servidos.