10/05/2011

Fofoca de Exortação

“Ora, se teu irmão pecar, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, terás ganho teu irmão;” (Matthew 18:15) listen to chapter

Podemos chamar de fofoca de exortação aquela prática nada ética de alguns pregadores e líderes evangélicos de citarem erros de alguns irmãos como exemplo negativo, exaltando logicamente, seu próprio exemplo. Talvez eu seja uma pessoa da qual poderão fazer várias citações negativas. Isto não se deve ao meu possível mau caráter, ou mau testemunho, mas ao fato de que sou humano. Todo ser humano é falível.

Sou tão falível quanto aquele diácono exemplar, cujo nome foi dado em homenagem a organizações eclesiásticas, e que uma vez encontrei durante uma visita, saindo suado do quarto de uma jovem casada, muito constrangido com minha presença. Olha eu aí fazendo fofoca também. Isto prova que não somos infalíveis. Nem mesmo aqueles que julgamos de tão reto testemunho que mereça deferência.

O problema é que confundem o que é testemunho. Deram ao testemunho a conotação de comportamento. Logo, geraram uma desculpa para o policiamento entre irmãos. Testemunho está ligado a sofrer as mesmas consequências que Cristo sofreu, se for necessário, para anunciar sua Palavra. Era assim com as testemunhas de julgamentos entre os judeus. As testemunhas não eram perfeitas, mas estavam comprometidas com a verdade específica que poderia gerar julgamento para pena de morte.

Esperava-se que as testemunhas fossem idôneas, mas o mais importante é a Verdade que defendem. É um dever do cristão ser idôneo, mas não devemos partir para o patrulhamento de comportamentos. Devemos sim, estar prontos a falar com nosso irmão sobre possíveis erros para corrigi-los e não constranger com citações muitas vezes infundadas. Aliás, você tem certeza que minha fala sobre o diácono é verdadeira? Será, ou não.