26/03/2010

Você tem direito a ficar calado.

O estado do Rio de Janeiro está entregue aos ímpios. Duas coisas me chamam a atenção para isso: o monopólio dos ônibus e o crescimento da violência na região metropolitana. Parece estranho mas ambos os fatos tem uma ligação tênue.

Quando as vans funcionavam, não eram grande coisa, mas obrigavam a todos que trabalhavam nos transportes públicos a tratarem o usuário com respeito, pois uma reclamação redundava em repreensão. Hoje, muitos mau-profissionais rodoviários (cito apenas como referência pois há maus profissionais em todas as profissões) tratam mal os passageiros por qualquer desculpa e têm certeza que não serão punidos pois não há concorrência...

Na cidade do Rio, fizeram grandes campanhas policiais para reprimir a violência. Talvez devido à Copa do Mundo e Olímpíadas. A região metropolitana sofreu com isso, pois meliantes fugiram em sua direção, de forma que seus moradores mais antigos não lembram de época com tanta violência na região.

Qual é a ligação entre um mau profissional e homens violentos? Eles geralmente se associam com facilidade. Tentam fazer com que outros parecam maus como eles, fazendo escândalos e murmurando para que pareçam vítimas, ou até querem fazer-se merecedores de mais respeito do que todos. Leia o texto de Mateus 9.9-11:

“Partindo Jesus dali, viu um homem chamado Mateus sentado na coletoria e disse-lhe: Segue-me! Ele se levantou e o seguiu. E sucedeu que, estando ele em casa, à mesa, muitos publicanos e pecadores vieram e tomaram lugares com Jesus e seus discípulos. Ora, vendo isto, os fariseus perguntavam aos discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?”

Mateus tornou-se discípulo de Jesus, mas foi outrora um mau profissional que possivelmente intimidava as pessoas, e distorcia a verdade para tirar vantagem de seu monopólio de publicano. Possivelmente ele ou seus colegas de profissão geravam sutis provocações para manipular seus desafet0s ou fazer-lhe mal. Provavelmente diziam que aqueles de quem desgostavam rebelavam-se contra a lei romana, o que é similar na cultura popular e de senso comum do Rio a chamar alguém de “abusado”. Ninguém podia discordar dos publicanos de Roma, estamos em situação pior, não podemos discordar nem somos respeitados pelos que deveriam servir com qualidade e não com empáfia. Pelo menos os publicanos tinham apoio claro do governo romano, hoje o governo do Rio fecha os olhos politicamente e diz que não sabe de nada.

Chegou a um ponto em que um cristão não pode defender seu direito minimo de tratamento respeitoso, pois logo será julgado tendenciosamente pela sua fé. Já aconteceram tais coisas comigo e pensei no testemunho que o ímpio espalharia de mim. Mas o ímpio sempre falará mal de nós pois odeia ao nosso Senhor, mesmo dizendo ter fé em Deus.

Aconselho você que pretende visitar o Rio de Janeiro, especialmente a Região Metropolitana, que tenha cuidado, pois estamos sem governo, entregues a interesses particulares e sem perspectiva de melhora. Que o Senhor repreenda os publicanos de hoje para que se arrependam e façam como Mateus, que deixou a coletoria (a semelhança com a cobrança de passagem é singular) e tudo que ela fornecia para seguir a Jesus em novidade de vida.