26/02/2010

Tradição e Salvação

Um dos argumentos mais comuns para rejeitar o Evangelho de Cristo é o apego a tradições religiosas. Alguns dizem ser fiéis à herança religiosa da sociedade ou familiar, respeitando tradicionalismos. Tais pessoas evitam qualquer reflexão sobre o que a Bíblia diz sobre o único caminho para a Salavação.

O apóstolo Pedro, exatamente aquele a quem a tradição atribui maior autoridade, nos diz que Cristo nos resgata dos equívocos religiosos que herdamos. Pedro sabia que só a fé em Cristo, fundamentada na Bíblia, é capaz de conduzir à Salvação. Para Pedro tradições vãs são incapazes de nos oferecer o que não podem pagar.
 
Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado (I Pedro 1.18-19)

Cristo pagou o preço de nossa redenção, mais ninguém. Cristo não é uma tradição que seguimos culturalmente sem saber ao menos para que serve. Tradições desmoronam pois não sustentam seu significado, e até mesmo se degradam em pecado, com as novas realidades sociais.

Cristo é uma pessoa e quer um relacionamento conosco. Verdadeiros relacionamentos são dinâmicos e não tradicionalistas e rotulados. Se queremos ter comunhão com Deus devemos vê-lo como alguém que age em nossas vidas e não somente como o elemento de uma tradição hereditária.

Deus quer se relacionar com você e comigo no tempo presente, hoje, agora, de maneira dinâmica e não predeterminada por algoritmos espirituais que recebemos como tradição.

Valorizemos o resgate feito por Cristo. Fujamos das vãs maneiras de viver. Pois mais importante que seguir uma tradição aparentemente imutável, é ser transformado por Cristo e passar a crer em Deus como a Bíblia diz.