31/01/2010

Pregação ou Exageração?

Ouça este texto em português |

Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, assemelha-se ao homem que contempla, num espelho, o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla, e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência. Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar. (Tiago 1.23-25)

31 de janeiro 2010. Estudamos hoje na Escola Bíblica Dominical sobre esses versículos de Tiago. O Pr Delcyr e o irmão Augusto deram uma excelente aula sobre o assunto destacando que quem ouve a Palavra e não pratica é “ouvinte negligente” demonstrando mera religiosidade, no sentido de aparência, e deixando de lado a verdadeira religião que está em servir a Cristo de forma persistente no viver diário que Tiago define nos versículos 26 e 27. Quem não permanece em Cristo professa religião vaidosa e não realmente voltada a Deus.

Saí da aula pensando nessa figura do homem que se olha no espelho e logo se esquece de sua própria figura. Sou cartunista, desenho personagens e pessoas, mas nem sempre lembro dos detalhes das fisionomias. Geralmente é necessário que a pessoa esteja visível para que faça seu desenho. Confiar na memória não ajuda muito. O máximo que posso fazer sem olhar para o modelo é uma caricatura, meio marota, da pessoa em questão. Quero usar essa experiência para ilustrar o que Tiago diz em sua carta.

Assim como eu, a maioria dos cartunistas não é tão fiel à realidade, até porque nosso arquivo interno de imagens é limitado a algumas formas e nosso estilo pessoal. Isso para este tipo de arte não é um problema, mas para as coisas de Deus é um grande problema. Esquecer logo da Palavra de Deus pela falta de prática, de vivência da Palavra, é um grande mal, pois será muito fácil que venhamos a distorcer as coisas enfocando apenas os detalhes que nos chamaram a atenção e fugindo da essência da Palavra, pois esquecemos sua real aparência, que figurativamente significa a nossa contemplação e reflexão da Palavra de Deus. Temos praticado a Palavra de Deus durante todo tempo para que possamos realmente lembrar dela como é, e não fazendo caricaturas da Palavra de Deus? Há muitos pastores que pregam caricaturas da Bíblia, e ainda dizem que é verdade. Os verdadeiros pastores e mestres resguardam-se de caricaturar a Bíblia, pois dedicam tempo ao seu estudo. Certa vez um desses pastores de caricatura perguntou à professora Delcinalva, excelente pregadora, quanto tempo ela levava preparando um sermão, ao citar o número de horas dedicadas o “pregador de caricatura” sorriu e disse que preparava seus sermões em 20 minutos.

A efemeridade da dedicação no estudo da Bíblia torna nossa pregação vazia e cheia de exageros. Pela falta de consistência, pregadores falsos manipulam as sensações para satisfazer a ausência de essência. Ontem vi um programa, na TVE, que mostra situação semelhante: a história do humorista e excelente cartunista Henfil – talvez o maior cartunista da história do Brasil. Henfil defendia os valores da esquerda comunista através de seus desenhos bem exagerados e extremamente expressivos, em certa época produzia até 100 trabalhos por dia, segundo o documentário, foi um dos maiores arautos da esquerda em sua época pois conseguia manter-se fora das cadeias com seu Paskim. Guardando o devido respeito à sua importância como artista, não podemos dizer que o ideal comunista tenha o valor comparativo, do ponto de vista positivo, com esse gênio brasileiro da arte. As propostas vazias dos esquerdistas que herdaram o poder são, inclusive, contrárias à Palavra de Deus e à moral cristã, mostrando seu status intermediário de desenvolvimento político.

Pastores e pregadores podem ser cartunistas, na hora certa, eu sou. Mas na hora de pregar não podemos nos prender a exageros que manipulam os sentidos da igreja, pois a Bíblia deve ser compreendida e aceita conscientemente, não por impulso apaixonado. Será que é propositadamente que falsos pastores falam em “paixão por Cristo”?

Não se apaixone por Cristo, pois a paixão é exagerada e passageira, conheça-o e viva com Ele diariamente, dedique-se ao estudo da Bíblia, reconhecendo seu amor por nós e dedicando-se a aprender mais do que nossos sentidos humanos e limitados são capazes de perceber.