18/11/2009

Personagem Gay para História Quadrinhos

Como cartunista meu traço foi muito influenciado por cartunistas famosos como Ziraldo, Henfil, Eli Barbosa, Disney, e Mauricio de Souza. Admiro muito a todos estes como artistas de grande competencia no traço, mas nem sempre concordo com suas idéias, lógico, faz parte.

Veiculos de notícias informam que Mauricio de Souza criou um personagem gay. Numa entrevista para rádio do Rio de Janeiro, o consagrado cartunista respondeu que “pessoas instruidas” sabem que seu personagem não incentivará ninguém a buscar tal orientação sexual. O que são “pessoas instruidas” para Mauricio? Será que são aquelas que defendem as mesmas idéias que a maioria? Será que só são instruidos os que concordam com sua opinião? Espero que ele não tenha pensado assim, pois seria um equivoco.

É mais comum que pessoas instruidas tenham suas próprias idéias bem desenvolvidas do que simplesmente concordar com o “pacote de intelectualização” imposto pela mídia patrocinada, que aponta como instruidos aqueles que gostam de tal autor, que defendem certas idéias, que são de determinada militância e por aí vai. Para estes, se você não gosta dos livros de Jorge Amado, você é um ignorante. Alguns se submetem a essa pressão midiática e psicológica, mas eu como vários outros, acho horríveis os livros de Jorge Amado. Embora repitam a máxima rodrigueana que “toda unanimidade é burra” os tais “intelectuais” fabricam essa unanimidade constantemente conforme o modo de pensar de seu grupo.

As histórias em quadrinhos tem valor educativo que pode ser observado na própria história da produção de HQ em todo mundo. Popeye não comia espinafre a toa, era uma forma de incentivar as crianças a terem uma dieta mais rica em ferro, por exemplo. Ainda no campo dos alimentos, redes de fastfood tem seus personagens para agradar aos clientes mirins, o resultado disso é o grande índice de obesidade entre crianças atualmente. Não é a toa também que muitas empresas atrelam a seu produto a figura de personagens do cartum, e incrementam as vendas. Histórias em quadrinhos são usadas na educação fundamental para introduzir discussões importantes de forma atraente e agradável ao público infanto juvenil. Como vimos a história em quadrinhos tanto educa como influencia. Já repararam que após a queda da cortina de ferro ninguém publica mais, pelo não com a mesma intensidade ou mesmo foco narrativo, as histórias do Capitão América?

Quadrinhos influenciam e educam, repito. Desenvolve a leitura pictográfica com a leitura escrita, estimulando a imaginação e a criatividade, e nenhuma leitura é totalmente neutra. Aprendi muita coisa em histórias em quadrinhos, aprendi também que elas servem a objetivos como os citados acima. Talvez eu não seja uma “pessoa instruida” por pensar assim sendo evangélico que crê na Bíblia Sagrada como única e infalível Palavra de Deus, mas pelo menos na minha, ou na nossa, falta de instrução mundana conseguimos ver o óbvio que a mídia patrocinada tapa com a peneira. Oremos para que Deus cuide de nossas famílias, crianças, adolescentes, jovens e sociedade, pois os valores cristãos estão sendo colocados sutilmente contra a parede numa preparação para a grande apostasia quando ninguém mais desejará ter comunhão com o Deus vivo e verdadeiro. Peçamos forças e sabedoria para pregar pois a seara é grande mas são poucos os trabalhadores.