26/11/2009

Igrejas Politicamente Corretas

Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Ap 3.16


Já esteve numa igreja morna? Aquela que aceita pentecostais, ortodoxos, neopentecostais e tudo mais num balaio de gato onde cada um crê no que prefere? É horrível. Igrejas desse tipo são mornas pois não assumem compromisso com a Bíblia, para elas o que importa é fazer uma boa política na igreja.

Sou batista ortodoxo e não abro mão, assim como penso que os irmãos pentecostais têm direito a suas convicções. A igreja não é uma instituição “politicamente correta” segundo uma política mundana e permissiva, mas quando seguimos fielmente a Palavra de Deus e tomamos partido seriamente de seus mandamentos estudando-os e ensinando-os sem abrir mão da fé em Cristo, somos muito mais democráticos do que aqueles que se dizem liberais mas que prendem outros a seus “conceitos superiores e mais esclarecidos”. Uma igreja que é dirigida como foco político caminha para a apostasia. É isso que o Diabo quer: que abramos mão de nossas convicções individuais e distintivas por que depois disso será fácil abrir mão da Bíblia Sagrada e mesmo da Fé.

Denominações que adotaram este estilo “politicamente correto” já ignoram totalmente, em outros países, vários mandamentos bíblicos fazendo inclusive casamentos entre pessoas de mesmo sexo, afinal isso é “politicamente correto”, esquecendo que para o apóstolo Paulo, em Romanos 1, isto é torpeza e abominável a Deus.

“Quando, pois, virdes o abominável da desolação situado onde não deve estar (quem lê entenda), então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes” (Mc 13.14). Penso que esse versículo se aplica à igreja apóstata também, não só à diáspora judaica. Onde que o Diabo não deve estar? Na igreja, mas ele tem se infiltrado de forma sutil e sedutora que muitas denominações históricas nem se dão conta de seus erros e continuam caminhando para a apostasia, entronizando o Diabo “politicamente correto” em seus cultos e estudos, e abandonando qualquer compromisso sério e que tenha um custo social alto demais para aqueles de fé fraca.

Lembremos de Moisés, Elias, Jeremias, João Batista, profetas que não tinham nada de “politicamente correto” mas que foram fiéis a Deus. O próprio Jesus não foi “politicamente correto”, tanto que o mataram. Ser biblicamente fiel é o oposto da politicagem mundana e isso custa caro aos crentes fiéis.

E aí? Quer servir a Deus de verdade ou prefere a politica religiosa apóstata da atualidade? A escolha é sua.

foto: http://www.sxc.hu/profile/eqphotolog