24/11/2009

A feiticeira e o profeta Samuel

Hoje, um irmão em Cristo que prepara diligentemente a lição da Escola Bíblica Dominical, onde é professor me fez uma pergunta intrigante sobre 1 Samuel 28. A pergunta era a seguinte: “Sabemos pelo contexto, que aquele que falava com Saul não era Samuel, na verdade Saul se deixou enganar porque queria ser enganado. Mas por que o autor bíblico não se refere ao falso Samuel com um termo que denotasse sua falsidade?”

O texto diz: “Então disse Samuel”, ora Samuel não disse nada, pois não era ele. Como explicar? Vamos tentar ser claros para bom entendimento do contexto bíblico. Nas buscas que fiz em concordâncias impressas e digitais, em diferentes versões e idiomas, pude constatar que Deus não chama os deuses de falsos, mas de “outros deuses” ou “deuses dos gentios” e por aí vai, embora em algumas versões textos como Jeremias 14.22 tragam a expressão “deuses falsos” dos gentios, a melhor tradução seria algo como “as vaidades dos gentios” que estaria de acordo com as melhores versões e o texto hebraico.

Mas porque Deus não chama estes deuses de falsos? Porque não são falsos, eles existem em nossa consciência amortecida pelo pecado como fruto de nossa vaidade e nossa concupiscência. Eles são um fato espiritual, embora não possam fazer nada pelos seus adoradores. Estes deuses que sabemos ser falsos são tratados na Bíblia pelo nome que cada vaidoso dava a sua própria vaidade inútil e inexistente. Isso coincide com Romanos 1 que diz que somos “indesculpáveis” quando não seguimos ao Deus verdadeiro, pois ele se manifesta de diferentes maneiras e mesmo em sua criação, mas os vaidosos preferem servir sua vaidade do que o Verdadeiro Criador. Deus respeita o homem mesmo nas suas invenções vaidosas pois fazem parte de sua consciência, se Deus violasse nossa consciência jamais poderíamos adora-lo em espírito e em verdade.

A pergunta do Ronaldo, esse é o nome do nosso irmão bereano, nos leva a uma conclusão valiosa e esclarecedora: Deus respeita tanto nosso livre arbítrio e valoriza tanto uma fé consciente, que leva em conta mesmo nossas invenções espirituais no momento de se revelar a nós. Deus poderia simplesmente ter dito que eram falsos deuses, ou falso Samuel, mas Ele queria que descobríssemos que valores espirituais importantíssimos esclarecidos melhor no Novo Testamento já estavam presentes em textos mais antigos, como uma preparação sutil e impossível de falsificar para o ministério salvífico de Cristo, onde a fé consciente testifica que somente o Senhor é Deus, não somente como uma informação padronizada, mas como uma descoberta em todo texto vetero e neo testamentário de forma hipertextual, pois como dizem alguns, a Bíblia é o primeiro livro hipertextual, isso não é coisa recente da internet.

As vezes questões aparentemente complexas, ou até mesmo complexas de fato, são apenas falha nossa na contextualização, inter contextualização ou na hiper contextualização dos textos bíblicos, digamos assim, mas dão um nó na cabeça. Que façamos como o nosso irmão Ronaldo, se não entendemos algo, vamos procurar respostas na Bíblia e não em achismos misticos de terceiros. Que Deus nos abençoe!