30/11/2009

Evangélicos presos por discriminação

A PLC 122/2006 pretende modificar a lei 7716/89 que prevê punição para "discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, ou procedência nacional" incluindo os termos "gênero, sexo, orientação sexual, e identidade de gênero". É no mínimo absurdo. Sabe-se atualmente que não há raça, somos todos da mesma raça humana, poderia-se então excluir tal termo pois etnia e cor já são o suficiente. Os militantes gays querem incluir ainda mais reduncia na lei? O que sugerem poderia ser colocado apenas como sexo, que já englobaria tudo mas tentam forçar uma lei corporativista homossexual. Se consideram os heterossexuais tão corporativistas porque querem o mesmo? Qual é a utilidade disso? Para quê fazer leis favoraveis a uma militância que de longe, representa a opinião de pequena porcentagem da sociedade, mesmo entre gays?

Porque há tanta carga contra a igreja? - Porque pregamos a moral e ética cristã.

Se aprovada tal PLC quantos militantes haverá que entrarão nas igrejas e provocarão escandalo através de comportamento homossexual com intuito de ser convidados a um comportamento mais adequado ao local de culto, e aproveitando-se disso, pedir a prisão por discriminação de pastores e outros líderes da igreja local? Se a igreja for composta de verdadeiros crentes, todos desejarão ser presos juntos assumindo o compromisso com os ensinos bíblicos. Será uma boa oportunidade para evangelizarmos em massa nos presídios, isso se não nos isolarem.

Mas alguém poderia dizer: "o objetivo dos militantes não é esse"! Ora, se não é usem as leis que já existem e não criem outra que não acrescenta nada de positivo, que só gera polêmica e confusão, como um sinal de ameaça a quem se opõe a suas escolhas. Talvez essa lei não seja aprovada, mas já conseguiram um bom marketing institucional com isso.