25/10/2009

Salmos Messiânicos - Salmo 2.7-8


Sl 2:7 Falarei do decreto do Senhor; ele me disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei.
Hb 1:5 Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?
Sl 2:8 Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por possessão
Hb 1:6 E outra vez, ao introduzir no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.

Nosso estudo sobre Salmos messiânicos continua, iremos pela ordem numérica dos Salmos já propostos. Falaremos sobre o Salmo 2.7-8 comparando com Hebreus 1.5-6. Estes dois textos, se comparados com a tentação de Jesus em Mateus 4, mostram paralelos entre a revelação do Antigo e Novo Testamento.
Lembramos que o Antigo Testamento tinha caráter propedêutico, isto é, introdutório, que preparava caminho para um aprendizado maior, ou melhor para uma revelação mais completa que foi alcançada no Novo Testamento. Uma ilustração sobre um conteúdo de ensino preparatório, ou propedêutico, é a de alguém aprendendo a cozinhar. Não podemos mandar uma pessoa sem conhecimento culinário preparar uma bacalhoada para muitos convidados importantes se ele não sabe nada de cozinha, primeiro ele terá que observar o serviço da cozinha, que o prepara para a segunda fase, lavar panela; depois de muitas panelas lavadas, já está preparado para descascar e cortar legumes que lhe dá a mínima habilidade para cortar carne, e só no final de tudo isso e algo mais é que poderá, conhecendo a receita e com bom tempero fazer sua primeira bacalhoada. Parece uma comparação trivial, mas o evangelho é simples, nós é que complicamos.

Tendo em mente esse caráter preparatório do Antigo Testamento percebemos que o Salmo 2.7 diz que Deus declarou a paternidade divina de Jesus, e Hebreus 1.5, texto paralelo, nos diz que ele nunca fez isso a anjo algum. Imagine como Satanás se irrita com isso! Na tentação, Satanás queria vencer a Jesus porque tinha inveja do fato de ser Cristo o Filho de Deus. Satanás se rebelou no céu e foi condenado, Cristo foi obediente até a morte e foi exaltado acima de todas as coisas.

Falando em ser exaltado acima de tudo, note que no Salmo 2.8, Deus promete a Seu Filho as nações e as extremidades da terra por possessão. É exatamente esta a última proposta desesperada de Satanás na tentação de Cristo. Satanás conhece a Escritura e sabia que Deus cumpriria sua promessa de dar todas as coisas a Cristo, por isso sua proposta de dar “os reinos da terra” a Jesus é uma cartada, um blefe, que sabia ser inútil mas pelo menos tentou.

Note como o conteúdo desses dois versículos do Salmo Messiânico em estudo se interconectam com o Novo Testamento, testemunhando, prometendo e confirmando o ministério salvador de Cristo. Como é possível que no decorrer de um milênio e meio de registros escriturísticos por pessoas tão diferentes, que em alguns casos até não se conheceram, vivendo em tempos e situações diferentes Jesus seja tão claramente notado? Pela Revelação de Deus. Toda a Escritura fala de Jesus e é sua própria Palavra, podemos até notar ligações hipertextuais entre os livros da Bíblia quase como se faz hoje na internet através de links, alguns dizem que a Bíblia foi o primeiro tipo de hipertexto, acredito que seja verdade.

O que isso tem haver conosco? Também há ligação entre nós e essa revelação: quando aceitamos a Cristo somos salvos e recebemos com Ele a glória dos céus, quando o negamos e desejamos poder mundano nos aproximamos do Diabo que é o deus desse século.

Que Deus nos abençoe para que aprendamos mais sobre a Bíblia, vivamos como ela ensina e possamos resistir ao Diabo para que ele não tenha sucesso com suas propostas enganosas em nossas vidas.