10/04/2009

Tá Amarrado 2

Após minha última postagem na União de Blogueiros Evangélicos e no meu blog pessoal, o irmão Carlos Renato de Souza cordialmente pediu que analisasse o texto de Lucas 11.21, a pergunta deflagradora é: Jesus está falando de demônios ou não? Posso responder de forma simples e direta e depois esmiuçar: Jesus cita demônios, mas ele disse muito mais do que um “Ta amarrado” ele mostra qual é o sinal do céu que comprova sua autoridade. Aliás, a unidade de sentido do texto fica prejudicada se nos ativermos ao versículo 21 somente, precisamos analisar até o versículo 31, ou um pouco mais, para um bom entendimento. No contexto Jesus ensina a oração modelo a pedido de um discípulo, depois ilustra a importância de levarmos nossas necessidades a Deus com a Parábola do Amigo Importuno. Note que a solicitação era feita à meia-noite, um horário perigoso e onde todos já estavam recolhidos, para atender o pedido do amigo importuno era necessário que se incomodasse toda a família que dormia em lugar comum. Jesus continuou dando outros exemplos comparativos entre a realidade humana e a divina no que se refere à petição. Enquanto isso muitos inimigos de Cristo ouviam sua mensagem e não gostavam de como se dirigia ao povo. Jesus fazia, e faz, muitos milagres, expulsar o demônio foi para os seus inimigos apenas uma desculpa para contestá-lo. O que incomodava-os não eram os milagres mas a Palavra de Cristo. Note que o acusaram e logo após pediram um sinal do céu. Jesus argumenta contra eles deixando-0s num impasse quanto a sua própria acusação comparando seu milagre com os atos dos filhos de seus contestadores, pessoas a quem provavelmente tinham apreço, mas protegiam. A resposta não poderia ser dada sem grande comprometimento por parte de seus acusadores: se condenassem Jesus, condenariam a seus filhos, se endossassem o milagre de Jesus ficariam envergonhados. Quanto a Lucas 11.21 ss, não diz que devemos “amarrar” ninguém, ao contrário, Jesus usa uma figura comum a um povo oprimido por dominadores estrangeiros e sujeito a saques, para mostrar que Ele, e não nós, é mais poderoso que o Diabo. Jesus também sutilmente mostra em outra parábola seguinte que os tais filhos expulsavam demônios, mas que não ocupavam a “casa” com o Espírito Santo, pois apesar de expulsarem demônios não ensinavam a Palavra de Deus. Eram somente exorcistas e não pregadores. Um detalhe que devemos ter atenção é que uma parábola é uma comparação para o ensino de uma verdade espiritual, não um mandamento. Parábola são para meditar e refletir buscando sua aplicação atemporal, mandamentos são para cumprir. Se confundirmos parábolas com mandamentos nos arriscamos a tecer pérolas como os “tá amarrado” da vida. O versículo chave desse trecho, em minha parca opinião, é “Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus, e a observam” v.28, que Jesus dá de resposta ao deslumbramento do povo com seus milagres. Pregar a Palavra de Deus é mais importante que milagres e exorcismos, Jesus diz que esse é o mesmo sinal que foi dado por Jonas aos ninivitas que se arrependeram de seus pecados pela pregação, sem nenhum milagre ou exorcismo. Quem vai longe, literal ou figuradamente, para ouvir a Palavra de Deus é mais bem aventurado do que aquele que busca somente sinais. A visita da Rainha de Sabá a Salomão ilustrou seu argumento. Retornando um pouco para Lucas 11:23 : “Quem não é comigo, é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha”, percebemos que Jesus refere-se aos filhos de seus interlocutores que expulsavam e “amarravam” demônios, mas que não compartilhavam do mesmo objetivo do Mestre. Há pessoas, e igrejas, em nossos dias como os filhos desses incrédulos, que buscam fazer milagres para impressionar o povo, mas não pregam a Palavra de Deus. Já presenciei cultos em tais igrejas onde sequer se abre a Bíblia, ou quando abrem, é mera introdução para idéias que não estão no texto. Isso é gravíssimo, em uma igreja que se diz cristã. Um lugar onde se faz qualquer ofício espiritual, mas se relega à Bíblia o último plano é qualquer coisa, menos igreja. Talvez por identificar-se mais com exorcistas itinerantes do que com pregadores gostem tanto de frases de efeito que motivam o povo e inibem o interesse pela Bíblia. Tomemos cuidado com as frases de efeito sem conteúdo bíblico e estudemos mais a Bíblia pois nela encontramos Palavra de Vida Eterna. Deus os abençoe!