31/03/2009

Cura e Libertação

foto: Um indivíduo do sexo masculino com 24 anos de idade que padecia de lepra. fonte: wikipedia Certa vez dez leprosos procuraram Jesus para serem curados. Jesus os enviou aos sacerdotes e no caminho foram curados. Mas só um, desprezado estrangeiro (samaritano), voltou para agradecer a Jesus pois tinha fé. Neste acontecimento vemos duas coisas em ação: a obediência e a fé. Todos os dez leprosos obedeceram a Jesus e a Lei Mosaica, pois tal lei determinava que os sacerdotes verificavam se uma pessoa estava curada da lepra, ao mesmo tempo a lei dizia que leprosos eram impuros e que não podiam aproximar-se de um sacerdote. Note que eles obedeceram a Jesus, ainda impuros, e que foram curados no caminho, eles apenas obedeceram e foram atendidos em sua necessidade de cura, mas aquele que teve fé foi salvo ao adorar e render graças a Jesus. Provavelmente os outros nove, confirmada a cura, renderam somente os sacrifícios indicados na lei mosaica. Hoje também há pessoas assim. Pela sua obediência encontram graças de Deus, mas pela falta de fé genuína que é baseada em arrependimento e entrega a Jesus, e não somente em curas e libertações, não encontram a Salvação. Só recebe a atenção de Deus aquele que reconhece que estando em pecado, impuro espiritualmente, não pode aproximar-se de Deus. Os dez leprosos pediram a Jesus sua cura de longe, nove, apos curados, contentaram-se em continuar longe de Cristo. Apenas um voltou, aproximou-se de Jesus e adorou-o prostrando-se a seus pés, e era um samaritano desprezado pelos judeus por ser um mestiço, miscigenado de judeus pobres e gentios, que mesmo adorando o mesmo Deus, surgiram em Israel durante o período em que os judeus estavam no exílio babilônico. Os outros, ao que parece, eram judeus "legítimos" detentores de uma pretensa espiritualidade maior do que os samaritanos, mas não voltaram para se prostarem aos pés de Jesus, pois lhes faltava reconhecer que precisavam de mais do que a cura carnal, precisavam da Salvação eterna. Alguns pastores hodiernos, tem colocado as curas acima da Salvação como se o objetivo do Evangelho fosse curar doenças. Dizem até que não há como pregar o evangelho a pessoas tão necessitadas se não lhes oferecer algo em troca. Jesus curou os dez, pois a bênção de Deus cai sobre justos e injustos, mas o que importava mesmo é o arrependimento para Salvação. O que nossas igrejas têm pregado? O Evangelho da Salvação ou da cura e libertação? Cuidado! Cura e libertação não garantem nem substituem a Salvação. Uma pessoa pode ser curada por Deus, devido ao amor divino, e mesmo assim ir para o inferno, pois tal pessoa não se arrependeu, buscou a igreja apenas como um "Pronto Socorro" e não como casa de oração e de ensino da Palavra de Deus. Devemos render ações de graças a Deus por tudo, principalmente pela nossa Salvação. Quem se preocupa com obrigações e sacrifícios acima da fé em Cristo como Salvador precisa atentar para o que faz, pois pode estar sendo curado, "libertado repetidas vezes" (se isso é possível), e ainda assim estar sendo guiado por falsos profetas ao caminho do inferno. Tenha fé em Jesus como seu Salvador, pois isso é mais importante do que sacrifícios.