15/02/2009

Velhas Caducas?

1Ti 4:1 Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, 1Ti 4:2 pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada, 1Ti 4:3 proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade; 1Ti 4:7 mas rejeita as fábulas profanas e de velhas. Exercita-te a ti mesmo na piedade. Está em moda entre alguns batistas, que se pensam mais esclarecidos do que outros, criticar aos valores e doutrinas ortodoxos como se fossem pensamentos de ‘velhas caducas’. Estes não se incluem entre tais ‘caducos’ e geralmente estão envolvidos com movimentos de pretensa vanguarda em crescimento de igreja. Vamos analisar alguns versículos dirigidos a Timóteo para entender o que realmente significa este deboche. Os últimos tempos compreendem o período entre a vinda de Jesus e sua volta, portanto estamos vivendo os últimos tempos. No tempo de Paulo e Timóteo já viviam esse tempo de apostasia que continua até hoje. Os homens tinham sua mente cauterizada, isto é marcada com ferro em brasa, pela própria mentira de Satanás. Paulo não refere-se a práticas de judaizantes que desejavam impor costumes judaicos aos cristãos mas a costumes e filosofias mundanas que entravam no seio da igreja. A citação da proibição do casamento deixa claro que refere-se a doutrinas pagãs, pois entre os judeus o casamento era extremamente valorizado e desejado. As fábulas profanas referem-se à dinâmica das doutrinas pagãs, isto é, qualquer um poderia inventar uma história e atribuir aquilo a um deus, era uma prática comum entre eles e contrária ao padrão cristão que se embasa unicamente na Bíblia como regra de fé e prática. Timóteo é exortado a manter-se fiel à Palavra de Deus e não aos padrões e fábulas desse mundo. Dentre aqueles que pensam, ou fazem parecer que pensam estar salvando a denominação da hipocrisia, há um consenso de que os princípios e doutrinas batistas são ‘caducos’ assim como aqueles que os defendem. Geralmente a bandeira que levantam para discordar dos valores estabelecidos são os métodos de crescimento de igreja. Aliás, os esquerdistas de todo o mundo também levantam suas “bandeiras” e até dão esse nome a seus propósitos, portanto, temos “esquerdistas” dentro da igreja disfarçando-se de crentes fiéis. Não podem haver esquerdistas facciosos no meio da igreja pois somos o corpo de Cristo e um corpo não deve dividir-se, por isso usam tal aparência de santidade e liberalidade para defender práticas contrárias a uma vida piedosa. Ensinam o uso da bebida alcoólica, valorizam mais a “cultos de balada” do que a cultos de ensino bíblico, não vêem nenhum problema em abandonar os cultos dominicais para ir à praia simplesmente para satisfazer um desejo de lazer, etc. Estes é que são os caducos! Caducos porque não conseguem entender que viver a vontade de Deus dá satisfação que nenhuma bebida, balada ou passeio pode dar. Quando Paulo cita pessoas que contam fábulas refere-se a estes liberais dos movimentos de crescimento de igreja, não refere-se aos que guardam a sã doutrina como os verdadeiros “caducos” querem fazer parecer. Os crentes sadios, são os que guardam a Palavra de Deus sem renderem-se a modismos divulgados por pessoas de carisma mundano infiltradas nas igrejas de Cristo. Lembro que tive um professor no seminário que contribuiu muito para divulgação de tais idéias em minha região. Ele usava uma interpretação histórica dos batistas baseado em filosofias de ímpios, facilitado por uma capacidade de comediante que hipnotizava a quase todos. Resultado: ao final de suas aulas todos achavam que a denominação batista era a pior de todas, seus ensinamentos foram até o empurrão que faltava para que alguns alunos abandonassem a denominação por rebeliões e movimentos religiosos extravagantes. Este professor não permitia que copiássemos suas aulas, e constrangia com piadismo aqueles que tentavam fazer tornando-os objeto de escárnio da turma. Dizia que entregaria todo o material impresso ao final do semestre quando iria lecionar em uma instituição mais famosa, mentiu, pois ao recebermos o material nada do que ele falou constava do recebido. Tudo que ele ensinava era a portas fechadas, escondendo-se dos diretores do seminário, numa clara desobediência e má fé. Infelizmente professores como este fizeram seguidores que até hoje acham que ele foi o “maior mestre que tivemos no seminário”. É incrível como as fábulas enganam tão facilmente aos cristãos e são fábulas geradas a partir daí que grassam em nosso meio hoje, gerando grande afastamento da fé genuína. Concluindo: os verdadeiros “caducos” são os neoliberais disfarçados, que até se dizem ortodoxos ou “tradicionais”. Aqueles que defendem a sã doutrina não podem ser ridicularizados por pessoas assim. É claro que mesmo entre os ortodoxos há divergências, mas divergências com consenso doutrinário, respeito e responsabilidade pelo que diz não escondendo de ninguém o que pensa, defendendo suas idéias sem ridicularizar como mundanos os que pensam diferente. Deus tenha misericórdia desses cristãos afastados da Bíblia e agarrados a teorias, métodos e cartilhas formadas por homens que desejam notoriedade no meio cristão.