05/02/2009

Devemos guardar o sábado?

Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Exodo 20.8-10 Todos os dez mandamentos são expostos como Palavra de Deus e são de fato. Sendo que do versículo 1 de Êxodo 20 até o versículo 7, Deus se identifica na primeira pessoa, isto é, EU SOU, indicando que há uma citação literal das Palavras ditas por Deus. A partir do versículo 8, o texto narra a mesma Palavra de Deus, só que na terceira pessoa, isto é, O SENHOR TEU DEUS entendendo-se com isso que Moisés, como autor, citou literalmente as primeiras palavras, e as restantes narrou conforme seu entendimento do que o Senhor tinha dito. Moisés entendia, conforme sua cultura, que o sétimo dia era o sábado, por isso deu destaque a ele, não significa portanto que fosse o sábado literalmente o sétimo dia a que Deus se referia. Há entre os "cristãos genéricos" aqueles que defendem a guarda do sábado com unhas e dentes sem levar em consideração essa peculiaridade do texto - os sabatistas - que até no Deuteronômio, a repetição da lei, tem redação semelhante. O sétimo dia referido é aquele após seis dias de trabalho, a palavra hebraica para sábado significa dia de repouso, este dia de repouso para os judeus era o sábado, o sétimo dia após todo o trabalho especialmente a parte do dia antes do sol se por. A maioria dos cristãos, principalmente os de doutrina ortodoxa e sem extremismos neoliberais ou fundamentalistas, guarda o domingo, pois teve o marco da ressurreição de Jesus. Isto tem sido assim desde os tempos apostólicos, e se os apóstolos não se oporam a isso, como alguém hoje pode se opor? A alegação de que o sábado é o dia exato que representa o descanço sagrado de Deus é incoerente, pois não podemos saber se o sábado é realmente o sétimo dia, em ordem cronológica ao da criação. A contagem do tempo não é exata desde a criação, como alguns querem, nem mesmo as genealogias podem nos dar uma noção exata disso pois citam apenas os personagens mais importantes de cada linhagem omitindo outros de menor importância, portanto é bem possível que o sábado original guardado por Deus na criação se encontre hoje numa segunda, quarta, quinta-feira etc. Deus sabia que não podemos saber o dia exato em relação à criação, por isso definiu o sétimo dia após seis dias de trabalho. Isto nós podemos contar. Mas será que cada um poderia escolher o seu dia pessoal de descanso? Não. Deus estabeleceu os Dez mandamento para seu povo, Israel, que tinha eleito o sábado. A guarda do sétimo dia não é um mandamento para cada pessoa mas para o povo de Deus em geral, atualmente, os cristãos. Nós como povo de Deus elegemos o domingo desde a igreja primitiva como um dia de reunião e adoração coletiva a Deus, ninguém pode escolher seu dia pessoal e dizer que não vai à igreja ao domingo por isso, pois o mandamento é para o Povo de Deus. Quanto aos sabatistas, "cristãos genéricos", o grande problema não é o fato de escolherem o sábado, mas de quererem parecer mais justos e mais obedientes a Deus do que outros cristãos pela guarda do sábado e outros rituais de forma farisaica. Se incomodam tanto com a guarda do sábado, mas deveriam incomodar-se com os livros paralelos e líderes manipuladores que usam e seguem como se tivessem a mesma autoridade que a Bíblia, este é o grande problema que tentam esconder com essa discussão sem fim sobre o sábado posando de "crentes mais responsáveis" quando na verdade "coam um mosquito mas deixam passar um camelo" Mateus 23.24