07/08/2008

Fala, fala e não diz nada.

1Co 12:1  Ora, a respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.

1Co 12:31  Mas procurai com zelo os maiores dons. Ademais, eu vos mostrarei um caminho sobremodo excelente.

1Co 13:1  Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.

 

 

Vez ou outra nos deparamos com entrevistas grotescas nas tardes de domingo, aliás, isso já é algo comum e muito disseminado na mídia secular, tanto que pessoas com um pouco mais de orientação ética evitam assistir aos terríveis programas de domingo. Num espaço de tempo observei uma coisa comum em alguns desses entrevistados, afinal eu não sou tão inteligente assim e ainda perco algum tempo assistindo essas bobagens. O que observei é que pessoas que ganham notoriedade fácil por exposição do corpo ou por defender idéias absurdas e nada edificantes, costumam defender sua inteligência, que geralmente é questionada, dizendo que falam muitos idiomas, como se o mero fato de ser poliglota fosse um atestado de inteligência. Isso pode enganar aqueles que se impressionam com titulações e diplomas mas não impressiona quem se importa com o conteúdo do que se fala. Outro tipo comum é aquele que usa palavrório difícil para mostrar erudição e que geralmente dizem muito pouca coisa com sua verborragia. Na verdade essas são pessoas ignorantes que não procuram valorizar as melhores coisas da vida e que mesmo falando tanto significam tão pouco. Para não ser mal entendido quero valorizar o estudo de idiomas, afinal é uma forma de conhecer culturas e crescer em conhecimento, o poliglota é alguém admirável, desde que use seu conhecimento para falar coisas proveitosas e construtivas, o que não é o caso das personagens da mídia a que me refiro.

Infelizmente, isso também acontece na igreja de Cristo, os versículos transcritos acima são prova disso. Paulo está se referindo a uma igreja que buscava coisas que pudessem exteriorizar sua espiritualidade e garantir algum status quase sacerdotal na igreja de Cristo, e Paulo alerta que faça o que fizer, sem amor, nada adiantará. Engraçado que alguns usam argumentos semelhantes às celebridades no que se refere a línguas estranhas, tentam mostrar o valor de suas obras e dizem que são cheios de "unção" para mostrar sua espiritualidade quando na verdade Paulo diz que devemos demonstrar é amor ao próximo para ter uma verdadeira espiritualidade. É muito fácil dizer que é "ungido" afinal isso é uma coisa vaga e imprecisa e dá a impressão mística de conteúdo espiritual, ninguém sabe definir o que é essa tal "unção" mas o que é amor está bem definido em I Coríntios 13.

Concluindo, quero fazer um apelo à igreja de Cristo que não se contamine com idéias mundanas e comportamentos vazios mas que busque a essência de Deus que é o amor. Claro que isso não é fácil, pois se fosse não estaríamos discorrendo sobre isso tão seriamente, penso até que quem deve procurar falar menos besteira e mais coisas edificantes sou eu, pois as vezes falamos muitas bobagens pensando falar coisas profundas. Espero que ao ler meu blog você não encontre tantas bobagens, pois a única diferença que nos separa dos poliglotas vazios é a vontade de fazer a vontade de Deus. O único que não erra em seus argumentos é Deus, por isso motivo você a ler a Bíblia Sagrada, sem preconceitos humanos, buscando a verdadeira e soberana sabedoria de Deus.