07/07/2008

Hipocritocracia

Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que tem cauterizada a própria consciência, I Timóteo 4.1-2
Estamos saindo da democracia para um estágio posterior do jogo do poder, algo que eu chamo de Hipocritocracia, ou seja, um governo para manter hipocrisias. Isso se demonstra em projetos de lei, em cerimônias públicas com apoio da mídia que lucra alto com políticas de falsas benesses ao povo ou de falsa aniquilação do preconceito. Lembra muito os fariseus e os cristãos hipócritas dos quais, Paulo fala a Timóteo no texto bíblico acima. Acredite que a hipocritocracia não está só no secularismo mas também já encontra muitos adeptos na igreja, infelizmente. Ser hipocritocrata é querer ser diferente obrigando o outro a aceita-lo assim, é querer que valorizem um direito seu em detrimento de direitos dos outros. Há muitos que criam leis que ameaçam até a fé evangélica, e cristã de um modo geral, simplesmente porque querem calar os que discordam de sua maneira diferente de ser. Isso não é garantir um direito, isso é eliminar o debate sobre um direito do seio da sociedade para que não se precise discutir com os que pensam contrário. Neste grupo estão alguns que defendem leis retaliadoras como homossexuais que não toleram ser contraditados, pois criam leis até proibindo um possível tratamento para o caso, em algumas categorias profissionais; estão também neste grupo pastores, inclusive batistas, que se instituem como incontestáveis em suas igrejas e que ao menor sinal de contradição fazem-se de vítimas para angariar simpatia do restante da congregação. Quem sabe tais pastores e líderes evangélicos não estão fazendo escola até mesmo onde não desejariam fazer? Quem quer ter o direito a ser diferente deve ser forte para suportar até mesmo a contradição sem fazer-se de vítima ou impor retaliações aos outros. Ao fazer nossas escolhas devemos estar prontos para aceitar a recriminação, pois ela virá de qualquer maneira, mesmo que seja velada por uma lei ou artifício manipulador mal feito. Quem não age assim demonstra que na verdade não está satisfeito com sua escolha, pois se estivesse, a recriminação não lhe afetaria, pois a satisfação em ser o que é suplantaria qualquer diversidade. Nós cristãos devemos estar felizes quando somos perseguidos e retaliados, pois é sinal que estamos fazendo a vontade de Deus. Quem não suporta a recriminação alheia na verdade sabe que sua escolha não é a melhor, pois se fosse, ela compensaria tudo. A Salvação em Cristo compensa tudo. Quem quer ter o direito a ser diferente também deve respeitar o direito do outro. Quando ameaçamos o direito de outros para garantir o nosso é porque não temos segurança de que nosso direito é legítimo, por isso precisamos impô-lo, pois não podemos suportar um debate sincero sem aderir a sofismas para defender nosso ponto de vista. No livro de Jó se mostra que ninguém pode debater com Deus e sair ganhando, mas ainda assim a humanidade insiste neste trabalho vão. Quem quer ter o direito a ser diferente tem a obrigação de se manter assim custe o que custar. Quem não quer que seu direito de ser diferente lhe custe nada: Demonstra que seu direito é egoísta. Todo egoísta quer apenas curtir a vida sem problemas, sem pagar o preço por nada. Essa pessoa egoísta demonstra também que seu direito não vale a pena de ser vivido, pois se valesse, pagaria o quanto fosse para conseguir aquele direito como aquele homem que, figuradamente, na parábola da pérola de grande valor, vende tudo o que tem e investe totalmente no reino de Deus. Temos sido tão hipócritas e egoístas que não podemos investir nas nossas idéias, e principalmente, no reino de Deus sem suportar oposição? A tolerância à oposição é sinal de legitimidade e isso, o verdadeiro cristianismo tem. A intolerância a oposição demonstra a fragilidade de uma idéia e o desespero de seus defensores que não tem argumentos consistentes.