02/06/2008

O SANGUE DE UM JUDEU

Tiago 1.26-27 – Se alguém entre vós cuida ser religioso e não refreia
a sua língua, antes, engana o seu coração, a religião desse é vã.A
religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: visitar os
órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do
mundo.


Pichação nem sempre é vandalismo, há algumas que são verdadeiras obras
de arte. Gosto de admirar essas que são desenhadas com cuidado e com
intenção de transmitir uma mensagem mesmo que não concorde, parcial ou
totalmente, com a mensagem transmitida.
Vi uma de grafismo muito bonito outro dia, uma dessas obras de arte
urbana, mas nela vinha uma mensagem que tem haver com o conteúdo deste
blog, dizia o seguinte: "Jesus não tinha cor, raça ou religião",
talvez a intenção do autor fosse universalizar a mensagem de Cristo
para todos, o que seria bom – isso se todos quisessem seguir a vontade
de Deus o que é uma impossibilidade lógica, democrática e bíblica,
pois só Deus teria poder para impor tal coisa e Ele nunca fará isso
pelo respeito que tem à nossa consciência e livre arbítrio – mas eu
quero dizer que o oposto do jargão do artista é mais coerente com as
escrituras.
Entenderemos cor e raça como etnia, afinal esses termos estão sendo
questionados e cada vez mais rompidos os limites entre eles de acordo
com os mais novos estudos genéticos. Jesus pertencia a etnia dos
judeus, um povo perseguido e discriminado por séculos e ainda hoje,
dizer que Jesus não tinha vínculos étnicos pode nos levar ao contrário
do objetivo aparentemente igualitário do artista, pois é exatamente
isso que nos mostra como o Plano de Deus contradiz o do homem – fomos
salvos pelo derramamento de sangue de um judeu, Jesus. Aprendemos com
isso que a pessoa mais importante do mundo era alguém desprezado, e
que mesmo assim foi exaltado eternamente. Se ignorarmos a etnia de
Jesus, isto é sua "cor e raça" esvaziamos um ponto importantíssimo de
sua mensagem.
Quanto à religião, Jesus era um bom seguidor do judaísmo, ou seja o
culto ao Deus único e eterno, genuinamente instituído por Iavé, tanto
que não se acomodou à hipocrisia de escribas e fariseus e tocou fundo
em questões religiosas que devem ser vistas com grande respeito como o
amor ao próximo, a misericórdia, a tolerância, o perdão, e um viver
que produza frutos espirituais através do arrependimento e fé em
Cristo, o apóstolo Tiago diz que esta é a "verdadeira religião" (vide
versículos transcritos acima). Religião significa "religar a Deus" só
Jesus pode fazer isso, portanto Ele é a própria Religião Verdadeira,
Ele é o próprio religar com Deus. É impossível que Jesus não tenha
religião pois isso negaria o que Ele mesmo é, e desviaria nossa
atenção de seu plano salvífico para pontos secundários, talvez até
importantes, mas não cruciais na missão do Nosso Salvador.
Concluindo, fomos salvos pelo sangue de um judeu desprezado para que
não nos julgássemos tão importantes, e Ele mesmo se tornou nosso único
mediador para com Deus, para que não façamos de estruturas clericais,
ou de poder, algo mais importante do que a Religião Verdadeira. Não
negue o que Jesus é, mesmo que pareça sedutor, aprenda com sua
essência pois o que Ele é e o que nós somos reflete diante de nós como
um espelho que não dá lugar à vaidade.