28/03/2008

Sede servos uns dos outros

Meditei em alguns textos para a escola bíblica que quero compartilhar com você. Estes textos falam sobre sermos servos uns dos outros. Dividi estes textos em tópicos para ficar mais fácil de expor. Quando servimos uns aos outros nos tornamos mais importantes
Mar 10:43 Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva; Mar 10:44 e qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos. – Quem serve ao próximo não irá impor sua importância para o outro, antes sua importância será reconhecida por corações agradecidos. O cristão mais importante é aquele por meio de quem a igreja cresce espiritualmente, em comunhão e em amor. Esse cristão é verdadeiramente usado por Deus para crescimento da igreja, e num tempo onde se fala de tantas estratégias para crescimento de igreja devemos ter em mente que qualquer estratégia é inútil se não for valorizado o serviço cristão espontâneo e voluntário que é um dos meios pelos quais a igreja cresceu durante séculos.
Quando servimos uns aos outros somos misericordiosos e não legalistas
Luk 10:36 Qual, pois, destes três te parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? Luk 10:37 Respondeu o doutor da lei: Aquele que usou de misericórdia para com ele. Disse-lhe, pois, Jesus: Vai, e faze tu o mesmo. Queremos servir a quem? A Deus através da igreja que é um grupo de pessoas que formam o corpo de Cristo, ou à igreja como instituição, ou organização somente? A igreja ultrapassa o conceito de organização pois há um elemento sobrenatural em sua constituição que é o próprio Deus. O doutor da lei valorizava a intituição religiosa judaica em detrimento das pessoas, os cristãos não devem ser assim. Se queremos nos apoiar e ser reconhecidos socialmente pela organização que fazemos parte, como o doutor da lei, tendemos a “podar” qualquer um que ameace a estabilidade de nossa “organização padrão”. Quando queremos fazer a vontade de Deus e restaurar vidas através do convívio na igreja buscamos a reconciliação do irmão que está em falta. Qual tem sido nossa atitude: a do doutor da lei ou a de Cristo?
Quando servimos uns aos outros seguimos o exemplo de Jesus
Joh 13:4 levantou-se da ceia, tirou o manto e, tomando uma toalha, cingiu-se. Joh 13:5 Depois deitou água na bacia e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. Joh 13:14 Ora, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros.
Sabemos que há diferenças sociais, culturais e de outras naturezas entre as pessoas. Cristo também sabia disso, e Ele era diferente e até melhor do que os outros pois não tinha pecado e era o próprio Deus, mas ao contrário de se gabar de sua posição, igualou-se a nós, ou até neste momento do lava pés, mostrou-se como inferior pois lavar os pés dos hospedes era tarefa dos escravos! Cristo com isso, nos ensina que só é verdadeiramente livre quem se submete ao outro de livre vontade, ninguém precisou obrigá-lo pois ele mesmo tomou a iniciativa, e aqueles que até deveriam fazê-lo sentiram-se constrangidos. O verdadeiro líder do ponto de vista cristão é o que serve a todos, quem só é servido é ditador. É interessante notar que as pessoas ali não quiseram se aproveitar da disposição para servir do mestre, antes julgaram-se indignas de receber tal cuidado dele. O cristão que serve bem sabe também servir sem tirar a autonomia do outro, nunca alimentará um sentimento de dependência e de impotência perante o líder que serve. Os apóstolos puderam ver em Jesus um exemplo que os inspirava a seguir em frente e não alguém em quem se “encostar”.
Quando servimos uns aos outros demonstramos amor (valorização) pelo próximo e por Deus, e somos recompensados.

Mat 10:40 Quem vos recebe, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou. Mat 10:41 Quem recebe um profeta na qualidade de profeta, receberá a recompensa de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá a recompensa de justo. Mat 10:42 E aquele que der até mesmo um copo de água fresca a um destes pequeninos, na qualidade de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá a sua recompensa.

É comum que o brasileiro queira “levar vantagem em tudo”, isso é um traço muito ruim em nossa sociedade, pois quando cada um quer tomar vantagem pessoal, o todo perde com isso. Receber no contexto dos versículos acima, significa servir, aos profetas, aos justos, aos pequeninos enfim ao próximo como igreja de Cristo. O interessante é que quando servimos a alguém recebemos a mesma recompensa deste, isto é o contrário do que o senso comum nos ensina. Você não será um “trouxa” se servir a alguém para que ele alcance sucesso, antes será como ele e merecedor da mesma recompensa. Infelizmente os homens não reconhecem isso, mas felizmente Deus reconhece e garante que não nos menosprezará. Seja qual for nossa tarefa, façamos sem pensar na recompensa dos homens pois, mesmo que ela venha, a recompensa de Deus é maior do que tudo.

Quando servimos uns aos outros não nos colocamos em posição superior.

Luk 22:27 Pois qual é maior, quem está à mesa, ou quem serve? porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, estou entre vós como quem serve.

É comum ouvirmos: “Quem sou eu para ser como um pastor” ou “quem sou eu para ser como o irmão Fulano que é tão ungido”, isso é um grande erro do ponto de vista cristão pois não há ninguém melhor do que o outro na igreja de Cristo. Também por isso não há ninguém inferior. No contexto da igreja maior é o que serve do que o que é servido pois o servo tem poder de fazer algo que o outro, às vezes pode apenas receber. É esse paradoxo do serviço cristão que torna tão importante sabermos que não somos superiores a ninguém e que servir é melhor que ser servido.

Quando servimos uns aos outros nos amparamos mutuamente.
Gal 6:2 Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo. Gal 6:10 Então, enquanto temos oportunidade, façamos bem a todos, mas principamente aos domésticos da fé. Fazer o bem é algo que não deve conter interesses escusos, mas deve conter o conceito de mutualidade. Se faço bem a uma pessoa e não a capacito nem permito que faça o bem para mim estou sendo egoísta. Se recebo o bem de outro e não retribuo de alguma forma estou agindo também de forma egoísta. É necessário que haja essa mutualidade na igreja de Cristo, onde um se importa com o outro para benefício mútuo e crescimento do Reino de Deus na terra.
Quando servimos uns aos outros nutrimos um sentimento divino.
Php 2:5 Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, Php 2:6 o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, Php 2:7 mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; O homem foi feito à imagem e semelhança de Deus. Quando servimos ao próximo nos aproximamos mais do que Ele é e temos comunhão com sua natureza divina através do amor. Amar é não se aferrar ao que é de nosso direito para que possamos conseguir o melhor para todos, é esvaziar-se no serviço ao outro e o outro esvaziar-se em nos servir para encher-nos da glória de Deus. Isso é dificílimo! Mas vamos continuar orando e tentando a cada dia ser melhores servos de Deus e do próximo.