23/10/2007

Comentário de colossenses Capítulo 1.v6-8

Nos versículos 6 a 8 Paulo nos mostra nas entrelinhas que o evangelho cresce e espalha-se pelo mundo, mas não porque o mundo se agrade dele, antes porque cresceu primeiro no coração de Deus, que não pode ser impedido por força nenhuma e que compartilha com os homens o poder de propagação do evangelho através do amor, pois se o amor é a própria essência de Deus ao amarmos nosso próximo pregando para ele, ou em outras palavras ensinando-lhe o caminho que é Cristo e também a guardar seus mandamentos, geramos uma força que não pode ser vencida pelo mundo e que invariávelmente irá gerar crescimento e frutos. O Diabo sabe que é o amor que permite esse crescimento enfurece-se com o crescimento do evangelho, por isso vemos atualmente um evangelho que afasta-se do amor e do ensino da Palavra. Há o evangelho da prosperidade, do curandeirismo, do marketing, e às vezes nos pegamos adimirados com seu crescimento, como se fosse uma grande coisa, que nem percebemos que o amor está perdendo a ênfase, que até mesmo, Cristo não é mais o nosso alvo mas nos tornamos produto de uma cultura "Gospel" mais preocupados e orgulhosos de sermos um grande mercado com poder de barganha na economia de capital do que própriamente em transformar pela diferença que Cristo faz em nossas vidas. Jesus disse que com o multiplar da iniquidade o amor de muitos esfriaria, e olhamos para o mundo em volta de nós para tentar provar esse esfriamento. Será que estamos tão fascinados com nossa própria capacidade como nicho de mercado que esquecemos que o amor pode estar esfriando dentro de nós mesmos? Será que temos nos preocupado com tantas coisas e esquecido, ou esfriado no amor, talvez até esvaziado nossa pregação desse amor em prol de melhores resultados mercadológicos? Vale a pena respondermos a essas perguntas pois o amor só esfriará do mundo quando a chama da igreja, que faz toda a diferença, for se reduzindo em meio a um mundo que sempre foi corrupto e sem amor.