15/03/2007

A"equidade" do mundo.

Mateus 24:12 E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos.
É "senso comum" na intelectualidade brasileira (mesmo que se julguem acima do senso comum) a idéia de que tudo é relativo e que não há verdade que possa ser defendida com veemência, mas contraditoriamente não aceitam contestação dessa idéia ironizando aqueles que discordam de tal na comunidade acadêmica. Isso já é de se esperar do mundo secular, mas muitos cristãos estão aderindo a essa idéia o que é incoerente com o cristianismo, pois para nós, a Bíblia é a verdade e Deus é a própria personificação da Verdade Absoluta. Se um cristão afirma não existir verdade absoluta abre espaço para duvidar da existência do próprio Deus. Mas além desse perigo, vejamos outra sutileza embutida nessa tendência de relativização: Se tudo é relativo, tudo é válido ou não pode ser condenado. Será que os defensores desse relativismo aceitariam a impunidade de um crime hediondo se o criminoso achasse que não fez nada de errado? Ou acham normal que um político explore o povo se aquilo for normal para o grupo em que ele está inserido? Se tudo é relativo, um engenheiro que construa um prédio com material impróprio e de baixíssima qualidade não deve ser punido, pois o que interessa não são as normas, ou verdades, mas sim o que ele acha? As respostas são óbvias, portanto, nem tudo é relativo. Mas é muito sedutor achar que não há limites para nossa ação, para nossos desejos ou mesmo nosso egoísmo. É muito mais sedutor achar que o mundo gira da forma que queremos do que submeter-se a vontade daquele que governa e sustenta todas as coisas, é o velho desejo adâmico (de Adão) de ser igual a Deus (Gn 3). O versículo que abre essa postagem diz que a iniquidade aumentará tanto antes da volta de Cristo que quase todos esfriarão no amor. Iniquidade, é a negação da equidade. EQUIDADE é reconhecer imparcialmente o que é justo para todos de forma igualitária. Portanto só Deus pode definir a EQUIDADE pois é imparcial, justo, e ama a todos incondicionalmente. O homem não a pode definir pois é limitado em tudo e pecador por isso defende a INIQUIDADE como natural. Isso mostra a atualidade do texto bíblico, há cerca de dois mil anos as Escrituras já previam que a humanidade utilizaria um argumento camuflado de "igualdade com diferenças" para tentar abolir a EQUIDADE e tentar fugir da verdade de ter que obedecer ao padrão Divino. Na verdade a "tolerância às diferenças" é uma total intolerância, pois você já não pode discordar, mesmo civilizadamente, de alguns grupos sob o prejuízo de ser tachado de preconceituoso. O interessante é que atitudes pecaminosas são beneficiadas com essa tolerância, e muitas vezes os cristãos e suas doutrinas são vistos como vilões ou atrasados. Isto é a profecia bíblica, que citamos acima, sendo cumprida claramente. Como temos atuado como cristãos? Temos concordado sem questionar os argumentos do mundo? Temos aceitado teorias impossíveis ser provadas ou com "provas" vagas e tendenciosas como se fossem comprovadas? Ou temos pregado a EQUIDADE bíblica? Por mais que o mundo tente confundir a EQUIDADE com INIQUIDADE, fiquemos firmes na fé em Deus, pois não é com perseguições e torturas que o Diabo tentará atacar a igreja, mas sim colocando nas mãos e na fronte das pessoas a sua marca, e isto quer dizer que a humanidade, cada vez mais, fará (figura das mãos) e pensará (fronte) coisas que são agradáveis aos olhos do mundo, porém são más aos olhos de Deus.