25/01/2007

As Bem-aventuranças 1

Esta postagem faz parte de uma série de oito devocionais sobre as Bem-Aventuranças no Sermão da Montanha (Mateus 5.1-12). Medite nesse texto conosco. A felicidade do que reconhece ser pobre de espírito (Mateus 5.1-2)
Felizes as pessoas que sabem que são espiritualmente pobres, pois o Reinos dos Céus é delas. (Nova Tradução na Linguagem de Hoje)
Na cultura popular geralmente é considerado “pobre de espírito” uma pessoa com limitações de caráter, o malfeitor, o egoísta etc. Nas Bem-aventuranças Jesus usa esse termo com um significado diferente: todos os homens são pobres de espírito pois todos os homens são pecadores e não tem mérito para estar na presença de Deus. Esse conceito tão singular nos deixa uma pergunta angustiante: “se todos somos iguais como pecadores, não importando se cometemos “pecadinhos” ou “pecadões”, como será possível encontrar a Salvação de nossa alma?” Essa pergunta tem sua lógica, pois se somos todos igualmente não merecedores da Salvação é necessário que se estabeleça um requisito que nos habilite a merece-la. A Bíblia na “Versão da Linguagem de Hoje” traz uma tradução, ou paráfrase que deixa mais claro o sentido do texto original: para entrarmos no reino dos céus é necessário, antes de tudo, reconhecer que somos pobres de espírito, e que devido a isso somos incapazes de alcançar a Salvação por merecimento. Pode até parecer que assim estamos abandonando a luta desistindo de nos esforçar para nos salvar, mas é exatamente o contrário disso, reconhecendo e confessando nossa pobreza espiritual deixamos de lutar inutilmente contra o pecado que é mais forte que nós para fazer aliança com a única pessoa que é totalmente poderosa para vencer o pecado, a morte, e nos garantir eficientemente a Salvação. Por isso é necessário aceitarmos Jesus como Senhor e Salvador. Vamos reconhecer nossa pobreza de espírito, entregar nossa vida a Jesus e receber vida eterna no Reino de Deus.