18/08/2006

  • Submissos à Liberdade!
O Salmo 2 nos relata as reações universais de dois tipos de homem, o justo (que serve a Deus) e o ímpio (que desobedece a Deus), parando para meditar nesse texto notamos que a separação entre um e outro se dá pela compreensão que tem das coisas espirituais. O ímpio tem uma visão equivocada e distorcida das coisas espirituais, usando a linguagem popular, seria como um óculos que distorce a realidade a sua volta provocando um engano em sua visão espiritual que conduz a um entendimento errado. O versículo 3 mostra que estes tentam romper "laços" e "algemas" que os atem a Deus, esses termos mostram claramente sua visão equivocada de uma falta de liberdade. Em nosso convivio diário temos pessoas que pensam assim, por exemplo, creem que são livres pelo simples fato de poderem fumar, e interpretam que os cristãos não são livres pois nossas doutrinas e princípios são contrários a isso. Só que aí fica claro um erro de conceitos, quem fuma não está livre para fumar, antes se submete ao domínio do vício. Alguém poderia alegar que sempre estamos submissos a alguma coisa e que não há liberdade total; nós cristãos concordamos plenamente com isso e defendemos que para ser livre de verdade é necessário submeter-se à pessoa certa: o Deus único e verdadeiro. Quem se submete a qualquer outra coisa (*) ou pessoa não encontra a liberdade, antes encontra a escravidão do pecado. Afinal só um Ser perfeito e sem nenhum traço de egoísmo, como Deus (e somente ele), pode ser um Senhor que conceda liberdade total a quem se submete. Por esse motivo a visão do justo é fazer de Deus o Rei de sua vida (versículo 6), pois a nossa liberdade consiste em colocar o nosso foco em Deus que não decepciona ninguém pois é perfeito, e que tira de nós todo o egoísmo pois focalizamos nossa vida nele e não em nós. Não existe forma melhor de encontrar a liberdade.
*Quando alguém se submete a uma coisa está se submetendo a uma relação egoísta da mesma maneira, pois submete-se ao seu próprio eu, ao seu objeto de desejo, em última análise ao seu desejo.