25/07/2009

Aarão

Filho mais velho de Anrão e Joquebede, filha de Levi (Exodo 6:20). Seu nome pode significar montanhês, montanha de força, iluminador. Nasceu no Egito três anos antes de Moisés e alguns anos depois de sua irmã Miriam (2: 1, 4; 7: 7). Casou com Eliseva, filha de Aminadabe da casa de Judá (6: 23; 1 crônicas 2: 10), teve quatro filhos com ela, Nadabe e Abiu, Eleazar e Itamar. No início do plano de Deus para libertação de Israel do Egito, (4:14 del éxodo, 27-30) Deus o enviou a encontrar-se com Moisés após longa ausencia, para cooperar com ele em tudo que era necessário fazer para cumprir a libertação. Ele seria a boca e o profeta de Moises, isto é, falava por ele por ter prontidão de palavra (7: 1, 2, 9, 10, 19). Manteve-se fiel a confiança de Moisés, e esteve presente em todas as entrevistas com Faraó.

Quando as tribos redimidas lutaram sua primeira batalha com Amaleque em Refidim, Moisés de uma colina visualizava a cena do conflito com a vara de Deus extendida em sua mão. Aarão e Hur , marido de sua irmã, levantavam suas mãos quando cansava e Josué, obteve a vitória com os guerreiros de Israel (17:8-13). Posteriormente, quando acamparam no Sinaí, ao comando de Deus Moises subiu ao monte para receber as tábuas da lei, Aarão e seus filhos, Nadabe e Abiu, com setenta dos anciãos de Israel, foram autorizados a acompanha-lo parte do caminho, e viram a manifestação da glória do Deus de Israel (Éxodo 19:24; 24:9-11). Enquanto Moisés estava no monte com Deus, Aarão voltou ao povo, e por medo, ignorância, ou instabilidade de carater, cedeu ao clamor do pove e lhes fez um bezerro de ouro que pôs como objeto de culto (Éxodo 32:4; Salmo 106:19). Quando Moisés regressou ao acampamento, repreendeu severamente a Aarão por tomar parte neste pecado, porém intercedeu a Deus por ele, sendo perdoado (Deuteronomio 9:20).

No monte, Moisés foi orientado sobre o sistema de culto para o povo, que dispunha que Aarão e seus filhos fossem consagrados ao ofício sacerdotal (Levítico 8, 9) sendo Aarão, o primeiro sumo sacerdote. Quando Israel chegou a Hazerote, no "deserto de Parã", Aarão e Miriam murmuram contra Moisés, por ter casado com uma etíope provavelmente após a morte de Zipora. Mas o Senhor confirmou a Moisés, e Miriam foi castigada com lepra (Números 12). Aarão reconheceu a sua culpa e a de sua irmã e pala intercessão de Moisés foram perdoados.

Vinte anos depois, quando Israel acampava no Deserto de Parã, Coré, Datã, Abirão conspiraram contra Aarão e seus filhos, mas o juízo de Deus caiu sobre eles, sendo destruidos, no dia seguinte milhares do povo morreram de forte pestilencia, os castigos só terminaram com a intercessão de Aarão (Números 16). Esta foi uma prova da escolha divina de Aarão para o ofício sacerdotal, aos chefes das tribos ordenou-se que trouxessem a Moisés uma vara com o nome de sua tribo. Que foram postas ao cair da noite no tabernáculo junto com a vara de Aarão, pela manhã todas as vara mantinham-se inalterada, porém a de Aarão representando a casa de Levi, floreceu e produziu frutos (Números 17:1-10). Esta vara foi mantida no tabernáculo (Hebreus 9:4) como um memória da confirmação divina da escolha do sacerdócio.

Aarão também pecou com seu irmão em Meriba (Números 20:8-13), por isso não entrou na Terra Prometida. Quando as tribos chegaram ao monte Hor, na fronteira da terra de Edom ao comando de Deus, Moisés e Aarão subiu com seu filho Eleazar a montanha, a vista de todo o povo. Aarão pos suas vestes sacerdotais sobre Eleazar, e morreu ali aos 123 anos (Números 20:23-29. Comp. Deuteronomio 10:6, 32:50). Toda a casa de Israel chorou por ele trinta dias. Os dois filhos sobrevivente de Aarão, Eleazar, cuja família manteve o sumo sacerdócio até Eli e Itamar, cuja família manteve o sumo sacerdócio até Salomao. Os outros filhos de Aarão foram mortos (Levítico 10:1, 2) por oferecer fogo estranho no altar do incenso.

Os árabes veneram o lugar tradicional da tumba de Aarão no cimo do monte Hor, marcado por uma mesquita muçulmana. Seu nome é mencionado no Alcorão, e nos escritos rabínicos há muitas histórias fabulosas sobre ele. Foi o primeiro sacerdote ungido. Seus descendentes constituíram o sacerdócio em geral. Foram muito numerosos no tempo de Davi (1 Crónicas 12:27). Os outros ramos da tribo de Levi, tinham posições subordinadas à casa de Aarão no sacerdócio. Aarão tipificava Cristo como sumo sacerdote ungido. Seu sacerdócio era sombra de coisas celestiais, e visava preparar o povo para "outro sacerdote" que surgiria depois “da ordem de Melquisedeque" (Hebreos 6:20).

Traduzido do Dicionário Bíblico de Easton que é de Domínio Pùblico